Salário de trabalhadores da construção civil aumenta no próximo mês

Convenção Coletiva prevê dois pisos: o primeiro, de R$ 712,80 por mês, e o segundo, de R$ 851,40 mensais

SÃO PAULO – Os presidentes do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo), João Claudio Robusti, e do Sintracon (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo), Antonio Ramalho, assinaram, nesta sexta-feira (18), Convenção Coletiva de Trabalho que estabelece reajuste de 8,51% em 1º de maio nos salários dos trabalhadores da construção civil.

O acordo prevê dois pisos. O primeiro, de R$ 712,80 por mês, ou R$ 3,24 por hora, para 220 horas mensais, vale para trabalhadores classificados como não-qualificados (servente, contínuo, vigia, auxiliares de trabalhadores qualificados e demais trabalhadores cujas funções não demandam formação profissional).

Já o segundo, de R$ 851,40 por mês, ou R$ 3,87 por hora, para 220 horas mensais, diz respeito aos trabalhadores qualificados (pedreiro, armador, carpinteiro, pintor, gesseiro e demais profissionais qualificados não relacionados).

Mais alterações

PUBLICIDADE

O tíquete-refeição, por sua vez, passou para R$ 10,50. Como opção, as empresas poderão conceder cesta básica, que passou para 30 quilos e teve acréscimo de vários produtos. Por sua vez, o adiantamento salarial, de 40%, no mínimo, deverá ser concedido até o dia 20 de cada mês.

O que não muda

As demais regras da convenção coletiva firmada em 2007 permanecem, como o valor das horas-extras, as exigências para a contratação de subempreiteiros, o banco de horas, a possibilidade de contratação de seguro de vida e a chance de opção pelo plano de saúde do Seconci-SP.

Além disso, fica mantida a formação de duas comissões paritárias: uma para a elaboração de propostas que contribuam para erradicar o déficit habitacional e criar empregos formais, e outra para discutir metodologias, formas e modalidades de pagamento da participação dos trabalhadores nos resultados das empresas.

Regiões

As novas regras valem para São Paulo, Itapecerica da Serra, Taboão da Serra, Embu, Embu Guaçu, Francisco Morato, Mairiporã, Caieiras, Juquitiba e São Lourenço da Serra.