AO VIVO Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Rendimento dos trabalhadores sobe 1,6% entre março e abril

Maiores altas foram em Salvador (2,2%) e em São Paulo (2,1%). No Distrito Federal houve estabilidade

SÃO PAULO – O rendimento médio real da população ocupada das seis principais regiões metropolitanas do País apresentou alta de 1,6% entre março e abril deste ano, atingindo a média de R$ 1.133.

Os dados fazem parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) divulgada nesta quarta-feira (27) pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).

Em quase todos

Na análise mensal, houve aumento em praticamente todas as regiões. Os maiores foram em Salvador (2,2%), onde o rendimento médio passou a valer R$ 782, e em São Paulo (2,1%), onde a remuneração chegou a R$ 1.152.

PUBLICIDADE

Em Porto Alegre, a alta foi de 1,6%, passando para R$ 992, em Belo Horizonte de 0,5% (chegando a R$ 962) e em Recife também de 0,5% (atingindo R$ 651). Apenas no Distrtito Federal houve estabilidade (R$ 1.451).

Crescimento de 6,3% em um ano

Ainda segundo o Seade/Dieese, entre março de 2006 e abril deste ano, houve um crescimento de 6,3% nos ganhos dos cidadãos ocupados das seis principais regiões metropolitanas do País.

De acordo com o Diesse, esse ritmo é um reflexo de uma melhora em todas as regiões pesquisadas: Belo Horizonte (7,7%), São Paulo (7,6%), Recife (6,2%), Distrito Federal (3,7%), Porto Alegre (3,3%) e Salvador (1,8%).

Massa de rendimentos

Considerando a massa de rendimentos dos ocupados para o conjunto das áreas analisadas, percebe-se um aumento de 1,9% entre março e abril, em função do aumento do rendimento médio.

Já na comparação anual, o levantamento aponta uma considerável alta de 8,9% na massa de rendimentos dos ocupados, o que reflete os aumentos nos níveis de ocupação e de rendimentos no período em questão.