Relações perigosas: veja como as dívidas podem atrapalhar sua carreira

Dívidas geram estresse e podem reduzir o rendimento e a criatividade dos profissionais, avaliam especialistas

SÃO PAULO – O endividamento das famílias brasileiras cresceu em julho. Segundo os últimos dados da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), 57,7% das famílias têm dívidas. A facilidade de se obter crédito é um dos motivos apontados para o maior comprometimento da renda doméstica, que pode alcançar os 28%, conforme previsão de economistas da Consultoria Tendências. Contudo, nem só a renda pode ficar comprometida nesses casos.

Especialistas ouvidos pelo InfoMoney concordam que dívidas atrapalham o desenvolvimento da carreira de qualquer profissional. Além do fato evidente de que, com dívidas, dificilmente esses profissionais conseguirão recursos para especializações e atualizações, eles explicam que ficar no vermelho prejudica o rendimento daqueles que estão empregados e até a recolocação daqueles que estão a procura de uma vaga.

“Toda situação que gera estresse diminui a produtividade, interfere na estrutura emocional e na capacidade de decisão dos profissionais”, explica a diretora de Consultoria da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Neli Barboza. “Dívidas aumentam o número de acidentes, de faltas e diminuem a produtividade e a criatividade dos profissionais”, constata o especialista em educação financeira Álvaro Modernell.

PUBLICIDADE

Já para o professor do Insper Aloísio Bueno Buoro, é difícil comprovar a relação entre a desorganização financeira e o desenvolvimento da carreira. “Vai depender do tipo de endividamento”, afirma. “A dívida por vício interfere, mas não só na carreira, como na vida”, ressalta.

Dívidas iniciam um círculo nada virtuoso…
A primeira consequência das dívidas na carreira é justamente a falta de recursos para investir na vida profissional. Mas há quem se endivide justamente para se manter atualizado para o mercado. Buoro ressalta que, nesses casos, fazer dívidas, como tomar um empréstimo, por exemplo, para pagar algum curso importante, uma especialização ou um MBA (Master Business Administration) até vale a pena. “Hoje sabemos que a renda média do profissional depois de um MBA sobe até 50%”, afirma.

Contudo, ele alerta que tudo tem uma dose certa e um limite. “Antes de pensar em contrair uma dívida, é preciso calcular o tempo de retorno desse investimento”, diz. Para esses casos, o professor do Insper aconselha que o profissional busque se informar a respeito de incentivos para a formação dentro da própria empresa. Dessa forma, ele investe na carreira e evita dívidas.

E evita também decisões precipitadas. Modernell lembra que a preocupação de quem está endividado é tamanha que acaba influenciando comportamentos até pouco éticos. “Dependendo do nível da dívida e da preocupação desse profissional, ele pode ultrapassar os limites éticos e praticar furtos, comercializar informações estratégicas”, afirma.

Dívidas também geram a necessidade de se ganhar mais, para poder quitá-las. Se o profissional não consegue um aumento de salário, acaba por buscar trabalhos extras. “Isso é extremamente negativo, porque só gera mais cansaço e mais conflitos, dentro de casa e no próprio ambiente de trabalho”, ressalta Modernell. O cansaço prejudica ainda mais a produtividade e a criatividade.

Além desse tipo de comportamento, decisões mais pessoais, e precipitadas, feitas levando-se em conta as dívidas, também prejudicam a carreira. “É particularmente ruim trocar de posição e área só porque pagam mais”, reforça Buoro. Muitas vezes, no médio e curto prazo, essas decisões só geram frustração e podem impactar de modo ainda mais negativo na autoestima do profissional, que por isso pode gastar mais, fazer mais dívidas – como em um círculo nada virtuoso.

… E até na hora de se recolocar, elas podem gerar problemas
Não são raros os casos em que profissionais, em meio a uma entrevista de emprego, começam a ressaltar o problema das dívidas. “Tem muita gente que já começa a entrevista falando das dívidas que têm”, conta Neli, da Ricardo Xavier.

E qual o problema desse desabafo? “Transfere e transmite para o entrevistado insegurança e indica que há algo errado”, explica a consultora. Para Neli, é possível identificar em um processo de seleção se a dívida é um fator que pode atrapalhar no ambiente de trabalho. “Se o devedor for daqueles compulsivos, que não conseguem administrar as contas, ele não vai ser bem visto pelo entrevistador”, afirma a consultora. “Se for um devedor pontual, não. Quem nunca teve problemas desse tipo?”.

Por isso, ela ressalta que, mesmo se o desespero for grande, evitar falar em assuntos dessa natureza durante uma entrevista de emprego é o ideal. “A pessoa não deve se antecipar e já ir falando sobre o assunto. Ele precisa utilizar a entrevista para se vender como profissional, apenas isso”, diz.

Para não atrapalhar a carreira
Os profissionais que estão no mercado e têm dívidas devem ficar atentos e avaliar se não são elas as causadoras de uma possível queda no rendimento. “Não tem jeito, é preciso gastar o que está dentro do orçamento, porque, caso contrário, você estará dilapidando a sua carreira”, reforça o professor do Insper. 
Para Modernell, independentemente do tamanho da dívida, sempre é possível organizar o orçamento, mas avisa: “Quanto mais tarde se procura estancar o problema, maiores são as perdas”.