Reforma tributária será votada em junho

Durante reunião com líderes partidários, presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, marcou votação para o início do próximo mês

SÃO PAULO – Durante reunião com os líderes partidários, na manhã da última quinta-feira (14), o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, marcou para o início do mês de junho a votação da reforma tributária.

A proposta, que tem como um dos objetivos acabar com a guerra fiscal entre os estados, estava tendo sua votação vinculada à reforma política por alguns deputados, o que não agradou ao deputado Sandro Mabel (PR-GO), relator do projeto. “Vamos ver quem tem palavra, porque um tema não tem nada a ver com o outro”.

Desoneração

Estima-se que a aprovação da reforma tributária, em 2021, com o fim da guerra fiscal, geraria aos estados cerca de R$ 15 bilhões, sendo que a desoneração sobre a folha de pagamentos e sobre os investimentos pode alcançar R$ 24 bilhões cada.

PUBLICIDADE

As empresas brasileiras, entretanto, não se mostram muito interessadas na proposta de reforma tributária. Uma pesquisa realizada pelo Ibef (Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças) e pelo IDS (Instituto para o Desenvolvimento Sustentável) revelou que apenas 56,8% das empresas conhecem a proposta, ao passo que 43,2% admitem não conhecê-la.

Além disso, 56% dos empresários acreditam que a atual proposta deverá sofrer modificações, 7% acham que o conteúdo será mantido e 37% não têm opinião formada sobre o assunto.

Na opinião do senador Marconi Perillo (PSDB-GO), é muito difícil que o governo aprove a reforma antes do final da gestão Lula, pois, segundo ele, nos últimos anos, o país já protagonizou o nascimento de 13 reformas tributárias, “algumas mal começaram e outras simplesmente não foram finalizadas”, disse.