Profissionais da construção civil devem terminar 2010 ganhando 15% mais

Nesse percentual, estão contabilizados salário, bônus, stock options, prêmio de produtividade e PLR

SÃO PAULO – Os profissionais da construção civil devem terminar o ano ganhando 15% mais do que em 2009, revela pesquisa da consultoria Wiabiliza.

Nesse percentual, estão contabilizados salário, bônus, stock options (opção em ações), prêmio de produtividade, adicional de periculosidade/insalubridade, comissão de vendas, além de PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

Durante o período de 2009 e 2010, a evolução real do salário desses profissionais ficou em torno de 12% a 20%. Para o presidente da Wiabiliza, Jorge Ruivo, esse movimento aponta para a escassez de mão de obra, que faz com que os salários subam. 

PUBLICIDADE

“Resultado: as empresas terão de estar plugadas no mercado, obtendo informações constantes para decisões rápidas. A demanda por pesquisas vai continuar aquecida e estar nas pautas de discussões de como atrair e reter mão de obra”, afirma Ruivo.

Momento
De acordo com a Wiabiliza, o que beneficiou os profissionais da construção civil foi o bom momento pelo qual o segmento passou em 2010.

Os lançamentos de imóveis em todo o País, as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e a disponibilidade de crédito para a população são reflexos da valorização do setor e, consequentemente, de seus profissionais.

Pesos e medidas
A pesquisa ainda traçou um paralelo entre os profissionais e seus respectivos salários. Pode-se constatar a diferença entre os profissionais de engenharia civil, cuja demanda e escassez são as maiores.

Nesse caso, as faixas salariais oscilam entre R$ 4,2 mil e R$ 11,5 mil, conforme o nível de experiência e complexidade da obra em que os profissionais estão operando.

Já o salário médio de um mestre de obras júnior, por exemplo, girou em torno de R$ 3,6 mil em 2010, sendo o menor de R$ 2,4 mil e o maior, de R$ 4,7 mil.

Profissionais de nível pleno e sênior, que detém capacidade e experiência em patamar superiores, têm salários maiores. A remuneração de um mestre de obras pleno fica, em média, em R$ 4.727. Neste caso, a menor remuneração é de R$ 3.034 e a maior, de R$ 7.093. Já para o mestre sênior, o valor atinge R$ 6.091, sendo que o menor é de R$ 3.600 e o maior, de R$ 8.672.