RADAR INFOMONEY Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Partido questiona criação de fundo com dinheiro do FGTS

Segundo PFL, é direito do trabalhador, patrimônio que o Estado não está autorizado a utilizar em investimentos sem garantia de rentabilidade

SÃO PAULO – A discussão sobre o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) continua. O PFL entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Medida Provisória 349/07.

A MP institui o FI-FGTS destinado a empreendimentos nos setores de energia, rodovia, ferrovia, porto e saneamento.

Apelo

O partido questiona que o fundo será constituído por R$ 5 bilhões, provenientes do FGTS, e que os investimentos não têm cobertura de risco de crédito. “Sujeita-se, assim, a toda sorte de perdas no mercado financeiro, colocando em risco expressiva parcela do patrimônio líquido do FGTS”, acredita o PFL.

Por se tratar de matéria ligada ao sistema financeiro nacional, o fundo não poderia ser criado por MP, explica o partido, e sim regulado por meio de lei complementar, de acordo com a Constituição Federal (artigo 192).

Outro ponto questionado pelo PFL é que a MP permite seqüestro de valores em benefícios do fundo de investimento. Tal procedimento, segundo a ação, também é inviável por meio de MP porque contraria a Constituição.

O PFL ressalva, ainda, que o FGTS é direito do trabalhador, patrimônio “que o Estado não está autorizado a utilizar em investimentos sem garantia de rentabilidade”. Portanto, o partido pede a permissão de Medida Cautelar para suspender a eficácia da MP.