Número de empregos com carteira assinada atinge 1,2 milhão, segundo Caged

Em julho de 2007, foram criados 126.992 empregos formais no País, o que elevou o estoque celetista em 0,44%

SÃO PAULO – Nos sete primeiros meses de 2007, o número de empregos com carteira assinada atingiu 1.222.495, o que representa crescimento de 4,42% ao número registrado no mesmo período do ano passado (+1.078.155 postos ou +4,08%).

Em julho de 2007, foram criados 126.992 empregos formais no País, o que elevou o estoque celetista em 0,44%, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Segundo os dados divulgados nesta quarta-feira (22) pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o incremento do nível de emprego está bem próximo do recorde verificado no mesmo período de 2004 (+1.236.689 postos ou +5,23%).

Menor expansão

Segundo o estudo, fica evidente a menor expansão do emprego em relação ao mês anterior, quando foi registrado aumento de 181.667 empregos (+0,64%).

Nos últimos 12 meses, o mercado de trabalho formal computou o incremento de 1.373.026 vagas, indicando uma expansão de 4,99% do emprego celetista.

Crescimento em todos os setores

Na análise mensal, o setor de Serviços, com acréscimo de 38.154 postos (+0,33%) se destacou como dinamizador do emprego com carteira assinada em julho de 2007.

Em seguida, com o segundo melhor resultado do mês para o período, aparece a Indústria de Transformação, com 28.996 oportunidades de trabalho (+0,43%), seguido pelo setor de Comércio, com 27.921 vagas (+0,45%).

Cabe lembrar que o setor de Construção Civil obteve o incremento de 18.896 postos ou 1,30%, só inferior ao verificado em julho de 2006 (+24.640 postos ou +1,83%).

Análise regional

A expansão de emprego foi generalizada nas Grandes Regiões, segundo os dados do Caged. As que mais se destacaram no mês em análise foram Sudeste (+70.510 postos ou +0,44%) e Nordeste (+27.566 empregos ou +0,66%).

PUBLICIDADE

Levando em consideração as Unidades da Federação, São Paulo registrou o maior número de vagas criadas (+59.497 ou +0,62%), seguido do Paraná (+10.068 ou +0,52%).

Por outro lado, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul foram os únicos estados que apresentaram queda no emprego (-1.690 e -1.674 vagas, respectivamente).

Região Metropolitana

O emprego cresceu em todas as principais Áreas Metropolitanas, com elevação total de 53.602 ocupações formais (+0,45%), um recorde para o mês de julho na série do Caged.

No interior dos estados em que se encontram essas áreas urbanas, a expansão foi de 45.184 vagas formais (+0,42%). Contudo, no interior do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais houve retração (-4.046 e -2.826 empregos, respectivamente).

O estado de São Paulo foi o maior responsável pelo incremento no número de vagas celetistas, tanto entre as áreas metropolitanas (+31.633 postos) como nas não metropolitanas (+27.774 postos).