No Dia do Engenheiro, entidades alertam sobre escassez de mão-de-obra

Anualmente são formados 20 mil profissionais da área. Mesmo assim, o número não é suficiente para suprir a demanda

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Nesta sexta-feira (11), é comemorado o Dia do Engenheiro. Todos os anos no País são formados 20 mil profissionais da área, segundo a Abenge (Associação Brasileira de Educação em Engenharia). Mesmo alto, o número não é suficiente para suprir a demanda do setor.

O Brasil se destaca no cenário internacional pelo baixo número de estudantes que se formam em engenharia, sendo oito em cada 100 formandos nas universidades, enquanto na Coreia do Sul são 20 engenheiros a cada 100 e, na França, a relação é de 15 para 100.

“Infelizmente, no Brasil, no ensino médio, a educação é voltada para ciências humanas, por isso é maior o número de estudantes que buscam o curso de Direito, por exemplo”, afirmou o presidente da FNE (Federação Nacional dos Engenheiros), Murilo Pinheiro.

Aprenda a investir na bolsa

Mercado de trabalho
Somente no mês de novembro, os profissionais mais procurados pelas empresas foram os engenheiros, registrando 20,27% das 1.698 vagas abertas, de acordo com levantamento mensal da Ricardo Xavier Recursos Humanos.

Para a FNE, o desenvolvimento nacional poderá ser prejudicado devido à falta de mão-de-obra especializada no setor, já que a demanda será maior por causa do aumento de investimentos no País, dos eventos esportivos que acontecerão, como Olimpíadas e Copa do Mundo, da exploração de petróleo na camada de pré-sal e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

“Precisamos fazer com que os jovens enxerguem a engenharia como a profissão do momento e do futuro. O desenvolvimento contínuo do País tem de servir de estímulo para o ingresso na carreira”, afirmou Pinheiro.

Perfil
As pessoas que gostam de entender sobre o funcionamento das coisas e têm afinidade com as matérias Física, Matemática e Química possuem perfil indicado para atuar no ramo da engenharia.

Para se destacar na profissão, além de ter uma boa formação básica e habilidade numérica, é necessário ter interesse em pesquisa, capacidade de concentração e criatividade.

A engenharia se divide em cinco grandes áreas. Confira abaixo:

  • Civil: projeta e gerencia obras;
  • Elétrica: tem foco em telecomunicações, computação, circuito elétrico e fontes alternativas de energia;
  • Química: para os interessados em recursos naturais, como exploração de petróleo;
  • Mecânica: aborda a mecatrônica, a construção de robôs, desenvolvimento tecnológico e indústria naval;
  • Agronômica: cuida de todas as partes da produção de alimentos.

PUBLICIDADE