Ética

Maioria dos profissionais convive sem restrições com atos antiéticos no trabalho

Quase 40% aceitariam suborno para beneficiar um fornecedor

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Um levantamento realizado pela ICTS com mais de 3 mil profissionais de empresas privadas nacionais revelou que 52% dos entrevistados tendem a conviver sem restrições com atos antiéticos no ambiente de trabalho.

Entre aqueles que não são graduados, o indicador é de 55%, enquanto os que ganham até R$ 3 mil por mês, o percentual é de 59%.

A pesquisa indicou também que 56% dos profissionais somente denunciarão atos antiéticos cometidos por colegas de trabalho se forem incentivados pela organização.

Aprenda a investir na bolsa

Atalho e suborno
Para conseguir alcançar as suas metas, 48% dos profissionais disseram que adotariam atalhos antiéticos. Além disso, 18% admitem que furtariam valores consideráveis da organização.

Em relação ao recebimento de suborno, 38% dos profissionais aceitariam suborno para beneficiar um fornecedor dependendo das circunstâncias.

Para o responsável pela pesquisa, Renato Santos, os números revelam a importância de as empresas realizarem a gestão da ética de forma clara, contínua e pragmática.

“O primeiro passo para a prevenção está na seleção de pessoas com o perfil ético adequado por meio de ferramentas de análise de aderência ética. Além deste filtro, é extremamente importante influenciar de maneira positiva esta maioria que tem o comportamento flexível com ações como a criação de um comitê de ética, canal de denúncia, entre outras”, completa.