Jovens e idosos devem usar parcela do décimo terceiro para quitar dívidas

Pesquisa também apontou que região Nordeste concentra o maior número de pessoas que irão usar o dinheiro para saldar alguma dívida

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Pesquisa realizada pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo) e Ipsos, divulgada na última sexta-feira (19), revelou a intenção de uso da primeira parcela do 13º salário entre as faixas etária dos brasileiros.

Os trabalhadores foram divididos em dois grupos: 16 a 24 anos, e acima de 60 anos – a faixa de idade intermediária não foi computada por apresentar resultados semelhantes à dos jovens.

Sob essa perspectiva constatou-se que, entre os mais velhos, 33,8% pretendem usar o dinheiro para pagar dívidas. Entre os mais jovens, esse percentual é de 25,6%.

Aprenda a investir na bolsa

Os jovens, por outro lado, são maioria entre os que pensam em poupar a primeira parcela do 13º salário recebida. Nessa faixa, 20,5% deverão guardar o dinheiro, contra apenas 14,1% dos trabalhadores acima de 60 anos.

Destino
A maior intenção de usar esse dinheiro para dar presentes está nas pessoas com mais de 60 anos, com 25,4% ante 20,5% da outra faixa etária comparada. 

Contudo, 7,3% dos jovens entre 16 e 24 anos irão aproveitar a quantia para viajar, enquanto 5,6% dos mais velhos farão o mesmo, conforme mostra a tabela abaixo:

O que farão com 13º salário
 Idade  Dívidas  Presentes  Poupar  Viagem 
16 – 24 anos25,6%20,5%20,5%7,3%
Acima de 60 anos33,8%25,4%14,1%5,6%

Regiões
Segundo a pesquisa da ACSP, a região Nordeste concentra o maior número de pessoas que irão usar o dinheiro para saldar alguma dívida: 38,2%. Sudeste registra o menor percentual nesta intenção de uso, com 22,9%.

Os moradores da região Sul têm a maior intenção de usar a primeira parcela para dar presentes, 25,4%, ante 8,8% do Nordeste, o menor percentual verificado.

Por fim, os integrantes das regiões Norte e Centro-Oeste são os que mais pretendem viajar utilizando o dinheiro: 15,3%. A menor intenção está na região Nordeste, com 2,9%.

PUBLICIDADE