Home Office: como separar os gastos do trabalho com os da casa?

Saiba como calcular a energia gasta com os aparelhos de trabalho e a solução para divisão de contas de telefone e internet

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Trabalhar em casa tem sido uma grande alternativa para as empresas e os empregados, desde que escolhido o ambiente ideal para que as atividades realmente rendam e para que nada atrapalhe.

No entanto, muitas vezes é preciso separar os custos da casa com os do trabalho realizado nela, já que o orçamento pode ser dividido pelos integrantes da família ou a empresa está disposta a bancar seus gastos com as atividades residenciais. Você sabe como dividir estas despesas?

Energia

Na hora de dividir as despesas com energia você precisará de uma calculadora. Isso porque será preciso calcular tudo na ponta do lápis para poder provar para seu chefe o quanto gasta ou para dividir honestamente os gastos em casa.

Aprenda a investir na bolsa

O primeiro passo será ver qual a empresa que cobra energia de sua casa e quanto é gasto por Kwh. Depois disso, veja os aparelhos utilizados e qual o consumo médio mensal deles.

Para você ter uma noção, veja abaixo os aparelhos que você utilizaria num home office e quanto de energia eles gastam, de acordo com dados da Procel:

  • Computador e periféricos: tem a potência média de 180 Watts e um consumo médio mensal de 16,2 Kwh;
  • Ar-condicionado de 7.500 BTUs: tem a potência média de 1.000 Watts e um consumo médio mensal de 120 Kwh;
  • Lâmpada incandescente de 100 W: tem a potência média de 100 Watts e um consumo médio mensal de 15 Kwh;
  • Lâmpadas fluorescentes de 23 W: tem a potência média de 23 Watts e um consumo médio mensal de 3,5 Kwh.

Telefone e Internet

Para separar de maneira justa os gastos com internet e telefone, o melhor será você assinar uma outra linha e um outro provedor, diferente daquele usado em sua casa. Como o trabalho será realizado para a empresa, pense em assinaturas comerciais.

Um plano comercial de 200 minutos de ligações de telefones fixos para fixos pode chegar a R$ 72,90 (Telefônica), enquanto de telefones fixos para celulares, a R$ 93 (Telefônica), com o valor de R$ 81 para instalação. Já a mensalidade de um novo provedor com abrangência de dois monitores seria de R$ 79,90 na mesma empresa.

Se preferir não fazer desta maneira porque não há recursos para instalação e contratação dos serviços, divida a conta detalhada e os valores gastos com o provedor pela metade. Entrem num acordo e estipulem um valor que possam pagar por mês com estas contas.