Fornecimento de sanduíche libera Burger King de pagar vale-refeição a funcionário

Funcionário alegou que lanches fornecidos não eram 'saudáveis' e, por isso, teria direito a uma indenização

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) absolveu a rede Burger King de pagar vale-refeição a um supervisor de operações que prestava serviços à companhia de fast-food.

Nas instâncias inferiores da Justiça do Trabalho, a rede havia sido condenada a pagar os valores do benefício correspondentes a um ano, por entender que o alimento oferecido não tinha qualidade nutricional.

Contudo, para o colegiado do TST, a norma coletiva não menciona o tipo de alimentação a ser concedida pelo empregador.

Download Gratuito

Guia Onde Investir 2024

Descubra as melhores oportunidades para lucrar e se proteger em 2024

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O que diz a convenção coletiva

De acordo com a convenção coletiva de trabalho de 2017/2019 da categoria, as empresas forneceriam refeições nos locais de trabalho, e a concessão do vale-refeição era facultativa.

Na ação trabalhista, o supervisor de operações de uma loja em São Paulo (SP) sustentou que a empresa havia descumprido essa cláusula. Segundo ele, os lanches fornecidos não poderiam ser considerados como alimentação saudável, e, por essa razão, teria direito a uma indenização equivalente ao vale-refeição.

Baixo valor nutricional

O pedido foi julgado improcedente em primeira instância, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) entendeu que a norma coletiva, ao prever o fornecimento de refeições, busca a melhoria das condições sociais dos trabalhadores, e somente uma alimentação variada, balanceada e de elevado valor nutritivo atingiria esse objetivo.

Continua depois da publicidade

No caso, a empresa fornecia apenas os produtos do cardápio de suas lojas, primordialmente sanduíches e saladas “pouco ou nada variadas, com alto teor calórico e de gorduras e baixo valor nutricional”.

No recurso ao TST, a rede de lanchonetes argumentou que a alimentação fornecida é similar ao “prato comercial” e que, na convenção coletiva, não há nenhuma ressalva ou especificação do tipo de alimento a ser fornecido.

Para o ministro Breno Medeiros, relator do recurso, o TRT impôs uma condenação sem parâmetro na CLT ou na norma coletiva, segundo a qual a concessão do vale-refeição, em substituição ao fornecimento da comida, era “uma faculdade da empresa, sujeita única e exclusivamente à discricionariedade do empregador”.

Ainda de acordo com o relator, a norma não menciona critérios de verificação da qualidade nutricional do cardápio oferecido. Os demais membros da Quinta Turma acompanharam o entendimento do relator.

Segundo a assessoria de imprensa do TST, o entendimento sobre o caso ainda não foi pacificado no âmbito do tribunal. “Há decisões divergentes de outras Turmas”, disse.

(Com informações do TST)