Expectativa de contratações para o terceiro trimestre no Brasil atinge 40%

Otimismo deu ao Brasil o segundo lugar na lista geral de índices de expectativa de emprego, atrás apenas da Índia, com 42%

SÃO PAULO – A aposta de contratações entre os empregadores brasileiros para o terceiro trimestre deste ano chama a atenção. Um levantamento realizado pela empresa de recursos humanos Manpower identificou que esses executivos contam com uma Expectativa Líquida de Emprego (ELE) de 40%, dois pontos percentuais acima do resultado referente ao trimestre atual.

Tamanho otimismo deu ao Brasil o segundo lugar na lista geral de índices de expectativa de emprego, atrás apenas da Índia, com 42%. Os dados baseiam-se nos comentários de 61 mil empregadores de 36 países ouvidos pela empresa. No Brasil, quase mil companhias foram entrevistadas.

Os mais otimistas
Diante deste cenário, os empregadores do setor de Serviços são os mais otimistas em relação às contratações de funcionários no terceiro trimestre deste ano. Eles aparecem no topo da lista, com uma expectativa de 52%.

PUBLICIDADE

Na sequência, estão os segmentos de Finanças/Seguros e Imobiliário, com 49%, e Construção Civil, com 43%.

“Podemos notar que, no País, os investimentos públicos e privados, nacionais e estrangeiros dos últimos meses estão criando expectativa de aumento da mão-de-obra em todos os setores da economia”, afirma o diretor comercial da Manpower no Brasil, Pedro Guimarães.

A menor esperança de movimentação empregatícia se dá no setor de Administração Pública e Educação. Para o terceiro trimestre deste ano, a expectativa gira em torno dos 24%, frente os 48% obtidos no período anterior.

Análise regional
A cidade de São Paulo e o estado do Paraná destacam-se com as maiores ELEs, ambos com 44%. Em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, os índices permanecem altos, em 38% para ambos. O estado de São Paulo aparece com 37%, um ponto percentual acima do último trimestre.

“Na construção civil, por exemplo, as facilidades no financiamento e a chegada de novos investidores já se refletem no aumento de empregos. Na indústria, a cada mês o nível de emprego bate recorde, e a Fiesp prevê a manutenção do crescimento, encerrando 2010 com o melhor aumento da série histórica”, avalia Guimarães.

“Outro ponto importante é que o setor de infraestrutura também se desenvolve a todo vapor, por conta da forte demanda em áreas como aeroportos, estradas e energia elétrica”, aponta. Ele cita ainda a indústria automobilística, que vai investir em 2010 um total de 4,4 bilhões de dólares no país. “Esses e outros fatores corroboram a expectativa do governo de gerar mais dois milhões de empregos até o fim de seu mandato”, finaliza.

Contexto global
Em relação ao resto do mundo, a expectativa de contratação melhorou em 23 países, na comparação com o atual trimestre. Além de Índia e Brasil, as previsões são mais fortes em Taiwan (35%), China (27%), Peru (26%) e Austrália (24%). De modo que 31 dos 36 países pesquisados pretendem aumentar sua força de trabalho de julho a setembro.

As únicas expectativas negativas estão na Itália (-9%), Irlanda e Espanha (-6%) e Grécia (-5%). No que diz respeito às Américas, os dez países pesquisados apresentam otimismo em relação a novas contratações. Em último lugar no continente estão os EUA, com um índice de 6%, número que está oito pontos acima na comparação com o mesmo período do ano anterior.