Empregos em baixa

Empregos na indústria do RJ caem 25% no semestre

Com um saldo de 65,9 mil novas vagas, o resultado é apenas superior ao apresentado em 2009, no qual foram registrados mais de 15 mil empregos

SÃO PAULO – Acompanhando o cenário de baixa atividade econômica do País, o mercado de trabalho da indústria do Rio de Janeiro apresentou diminuição de 25,09% no ritmo de contratações no primeiro semestre de 2012, em comparação ao mesmo período de 2011.

O estudo da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), divulgado nesta segunda-feira (20), revela que nos primeiros seis meses deste ano, o mercado de trabalho formal abriu 65.919 vagas. No mesmo período de 2011 e 2010, os saldos de postos de trabalho eram de 87.998 e 88.591, respectivamente. O índice apresentado neste ano apenas ultrapassa os resultados de 2009, no qual foram registradas apenas 15.167 vagas no estado.

Setores
Em destaque, o setor de Construção Civil foi o único que obteve alta, em comparação ao 1º semestre do ano anterior. Este setor criou cerca 25,8 mil empregos formais, mais de 4,76 mil vagas a mais que no período posterior, que abriu 21.072 vagas.

PUBLICIDADE

As atividades que impulsionaram as contratações estão ligadas às obras de investimentos em andamento no estado, como a implantação do Complexo do Açu, Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), arco metropolitano, expansão do Porto do Açu, além das obras do BRT e metrô.

Se comparados apenas os números registrados em 2012, o setor de serviços foi o campeão de abertura de postos de trabalho, com mais de 38 mil vagas, seguido pela Construção Civil e Indústria Geral (como Extrativa e de Transformação), que abriu 10.354 oportunidades de trabalho. Porém, em relação ao mesmo período de 2011, os mesmos setores (exceto Construção Civil) tiveram baixa de 25,6% e 2,45%, respectivamente.

Regiões
Já por região, a baixada fluminense apresentou o melhor saldo, com 12.069 vagas disponíveis. Um crescimento de 15% em relação a 2011, que registrou 10.412 novas vagas. Com uma queda de 32%, a capital ainda possui o maior saldo de postos de trabalho, com quase 29 mil vagas disponíveis.