Em tempos de crise, emprego cresce na construção, mas o sinal de alerta permanece

SindusConn-SP diz que terá mais vagas se os juros para o setor baixarem e se o "Minha Casa Minha Vida" tomar velocidade

SÃO PAULO – Apesar da crise financeira, 18.341 novas vagas de emprego, com carteira assinada, surgiram no setor da construção civil em março deste ano, o que denota uma alta de 0,87% frente a fevereiro, segundo dados da pesquisa mensal do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) realizada pela FGV Projetos, com base em informações do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego.

No primeiro trimestre, o segmento de construção civil ofereceu 36.733 empregos. Para se ter uma ideia, no fim de março deste ano, o setor é responsável por empregar 2,121 milhões de trabalhadores no País.

Expectativas

Na opinião do diretor de economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, estes resultados precisam ser vistos com cautela, e não como um sinal de recuperação da crise econômica.

PUBLICIDADE

“Estes números refletem a construção de empreendimentos lançados e das obras públicas contratadas antes da crise. Houve um hiato nestas contratações de obra a partir de setembro do ano passado, e ele vai se refletir no emprego mais adiante. As contratações de obras já reiniciaram, embora em um ritmo menor”.

Para ele, o emprego pode até continuar crescendo por mais uns meses no setor, mas só irá se manter no segundo semestre se os juros baixarem mais, se houver recuperação dos investimentos, se o Programa Minha Casa Minha Vida tomar velocidade e se a arrecadação crescer, permitindo que as contratações de obras públicas se intensifiquem nos níveis da União, dos estados e dos municípios.

Empregos na construção por regiões

Em março, a região Sudeste ofereceu 14.147 novas oportunidades para os profissionais do setor de construção. Em seguida, destaca-se o Centro-Oeste que abriu 2.139 vagas.

Já as regiões Sul e Sudeste disponibilizaram quase o mesmo número de empregos: 1.797 e 1.753. Em contrapartida, a população que trabalha no setor da construção na região Norte não tem o que comemorar, porque, no terceiro mês do ano, o segmento demitiu 1.495 trabalhadores.

São Paulo

Das 14.147 contratações dos profissionais do setor de construção, em março, 6.710 foram realizadas no estado de São Paulo, um aumento de 1,12% em comparação ao número de empregados na área em fevereiro.

No primeiro trimestre deste ano, o número de pessoas contratadas na construção paulista é de 608,4 mil, ou seja, alta de 9,93% quando comparado aos últimos 12 meses e 2,7% frente a dezembro do ano passado.

Na capital foram contratados, em março, 3.455 trabalhadores, já em São José dos Campos, cidade do interior que mais disponibilizou novas oportunidades foram 1.875 novos postos de trabalho.