Diferença salarial entre homens e mulheres é menor no comércio de construção

Segundo estudo, no setor, as mulheres ganham 4,3% menos que os homens; no comércio em geral, desigualdade é de 22%

SÃO PAULO – A diferença salarial entre homens e mulheres, na cidade de São Paulo, é menor no comércio de material de construção do que no setor do comércio em geral, segundo revela pesquisa realizada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), divulgada na quarta-feira (5).

De acordo com o estudo, no setor, as mulheres ganham, em média, 4,3% menos que os homens, enquanto que no comércio em geral, a desigualdade é mais expressiva, em torno de 22%.

O Dieese informa que a menor diferença salarial encontrada na construção se dá, em parte, pelo fato de as mulheres estarem mais inseridas nas funções administrativas, onde os salários médios são superiores.

PUBLICIDADE

Além disso, a remuneração média do comerciários de material de construção é inferior à média do setor comercial, o que reduz a margem de diferenciação de salários entre os gêneros.

Salários e empresas
Ainda sobre o comércio de material de construção, aponta o levantamento, é possível observar diferenças salariais, conforme o tamanho da empresa.

Neste caso, diz o Departamento, os menores salários são pagos pelas menores empresas, com até quatro empregados; enquanto os maiores rendimentos estão nas empresas que possuem de 500 a 999 empregados , onde corresponde, em média, a R$ 6.560,76.

Mesmo pagando os menores salários, observa, as empresas com até 19 empregados respondem por 50% dos ocupados no segmento na cidade de São Paulo, enquanto que aquelas com 500 empregados ou mais são responsáveis por menos de 1% dos empregos.