AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CEO da GPC divulga e comenta os resultados da empresa no 3º trimestre

Por Dentro dos Resultados: CEO da GPC divulga e comenta os resultados da empresa no 3º trimestre

Despesas cotidianas comprometem 92% da renda familiar brasileira

Alimentação, moradia, educação e transporte, juntos, chegam a R$ 2.134,77. Só 5,8% da renda vai para aumento do patrimônio

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os gastos cotidianos representaram 92,1% das despesas das famílias brasileiras em 2008 e 2009. Dados da POF (Pesquisa de Orçamento Familiar), divulgados nesta quarta-feira (23) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apontam que o rendimento médio mensal do País alcançou R$ 2.763,47, dos quais R$ 2.419,77 são voltados a tais gastos.

A maior parte desse valor se refere a despesas de consumo – alimentação, moradia, educação, transporte etc, que somam R$ 2.134,77 (81,3% da despesa cotidiana total). Outros R$ 285 mensais (10,9%) são desembolsados com impostos, contribuições trabalhistas, pensões, mesadas e doações.

Apenas 5,8% das despesas das famílias foram gastos com o aumento de ativos, ou seja, o crescimento do patrimônio. Segundo o IBGE, por mês, as famílias brasileiras gastaram em média R$ 152,09 com a compra, construção e melhoramento de imóveis próprios ou outros investimentos, como títulos de capitalização, títulos de clube ou aquisição de terrenos para jazigo, por exemplo.

Aprenda a investir na bolsa

O valor gasto com o pagamento de dívidas em 2008 e 2009 foi, em média, de R$ 54,45, representando 2,1% do total de gastos.

Áreas rurais
Cerca de 20,8% do total de despesas da famílias da zona rural é considerado não monetário – são os gastos que aceitam pagamentos em bens ou trocas. Na área urbana, a despesa não monetária representa apenas 14,7% dos gastos familiares.

Essas famílias têm renda média familiar de R$ 1.397,29, contra R$ 2.853,13 das famílias da área urbana. As despesas de consumo das famílias rurais são maiores que as urbanas: 87,3% contra 80,7%. As outras despesas correntes, no entanto, pesam apenas 5,4% no bolso das famílias rurais, contra 11,3% nas urbanas.

Regiões
O Sul tem a maior participação do aumento de ativos no orçamento das famílias (8,3% frente à média de 5,8%). Porém, a região com maior renda média mensal é a Sudeste (R$ 3.135,8). O Sul fica em segundo, com R$ 3.030,44, e o Centro-Oeste em terceiro, com R$ 2.591,14. Em seguida, está a região Norte, com renda média familiar de R$ 2.006,80. A região com menor nível de renda familiar é a Nordeste, com R$ 1.700,26.