Crise faz baixa renda temer redução de consumo e desemprego

Cerca de 88% dos brasileiros das classes C e D crêem que suas famílias serão afetadas pela atual crise financeira mundial

SÃO PAULO – Com o cenário econômico desfavorável, cerca de 88% dos brasileiros, pertencentes às classes C e D, acreditam que suas famílias serão afetadas de alguma forma pela atual crise financeira mundial. Probabilidade de redução do consumo e desemprego são os maiores medos, mesmo entre aqueles que esperam não serem afetados.

Os dados fazem parte da pesquisa “Retratos da Crise: as classes C e D em estado de alerta”, realizada pela McCann Erickson, em sete países da América Latina, entre eles, o Brasil. No país, o estudo ouviu 618 pessoas economicamente ativas, de ambos os sexos, entre 24 e 60 anos, com renda familiar entre R$ 607 e R$ 3.033, concluindo que 55,5% desta faixa da população acha que sua família será muito afetada pela crise, 32,4% acha que será pouco afetada e 12,1%, nada afetada.

Consumo e Desemprego

Ainda segundo o estudo, a redução do consumo e o desemprego são as áreas da vida que as classes C e D acreditam que serão mais afetadas, com 36% e 32%, respectivamente. O impacto da crise no salário aparece em seguida, recebendo 23% das respostas.

PUBLICIDADE

Por outro lado, 11% dos entrevistados pensam que nada mudará por conta da crise. Este percentual é maior do que os que esperam problemas em negócio próprio (10%), atraso no pagamento de prestações (6%) e encarecimento dos serviços de saúde (5%).

O medo de cada grupo

Quando observado o comportamento por grupo (muito, pouco e nada afetados) diante da crise, o que chama a atenção, segundo o estudo, é que, para 24% das menções dos que acham que nada sofrerão, relaciona-se à falta de capacidade de honrar contas e dívidas.

Outro fato interessante é que, para os que imaginam um alto impacto, a volta da inflação obteve 22% das citações.

O desemprego foi o maior temor de todos os grupos, com 30%, 32% e 43% das respostas entre os que acreditam que suas famílias serão muito, pouco ou nada afetadas.