Cresce o número de famílias que acreditam que situação financeira está pior

Em setembro, índice dos que acreditam estar em pior situação financeira do que há um ano foi de 23,7%

SÃO PAULO – A parcela de famílias brasileiras que acreditam estar em uma situação financeira pior do que estavam no ano passado aumentou em setembro. No nono mês do ano,  23,7% das famílias acreditavam terem piorado de situação, contra 22,7% em agosto.

Mesmo assim, a maioria das famílias brasileiras ainda se mostra mais satisfeita em relação à sua situação financeira atual. Em setembro, 71,9% das famílias pesquisadas indicaram que estão melhor financeiramente hoje do que um ano atrás.

Os dados fazem parte do IEF (Índice de Expectativas das Famílias), divulgado nesta segunda-feira (10) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

PUBLICIDADE

Otimismo por região
Na análise regional, o Centro-Oeste mostrou a maior porcentagem de famílias que se sentem melhor financeiramente frente ao ano anterior. Atualmente 83,5% se sente melhor em relação as finanças, contra 79,7% em agosto.

Nas regiões Sul e Norte também aumentou o número de famílias com o mesmo sentimento. No primeiro caso, passou de 57,8% para 61,8%. No segundo caso, passou de 67,7% para 69,3%.

Por outro lado, no Nordeste e no Sudeste, menos famílias se sentem em melhor situação financeira. No Nordeste, 72% indicam estar melhor financeiramente do que estavam um ano atrás (contra 74% em agosto) enquanto no Sudeste a porcentagem caiu de 79,2% para 73,8%.

Futuro
Quando analisadas as projeções futuras, o Norte apresenta o maior otimismo entre as famílias em relação às suas condições financeiras daqui a um ano, com 92,7%.

Ainda sobre o futuro, a região Centro-Oeste apresentou o segundo maior índice, de 92,6%, seguida pelo Nordeste (77,4%), Sudeste (75,2%) e Sul (70,3%).

Expectativa por renda
O estudo ainda mostra a expectativa de cada faixa de renda sobre os próximos 12 meses, em relação a  situação financeira atual.

PUBLICIDADE

Entre aqueles com ganhos de até um salário mínimo, 69,42% acreditam que a situação financeira irá melhorar. Já entre os que ganham de um a dois mínimos, 77,40% acreditam que sua situação financeira estará melhor daqui um ano, e 78,48%, entre aqueles que ganham de dois a quatro salários mínimos, também têm boas expectativas.

O otimismo com relação ao futuro entre as famílias com renda de quatro a cinco salários mínimo foi de 82,18%. Entre aqueles com ganhos de cinco a dez salários mínimos, 85,25% têm boas expectativas, e entre os que recebem mais de dez mínimos, 87,14% pensam o mesmo.