Cresce o número de famílias que acreditam que situação financeira está pior

Em agosto, 22,7% acreditam que estão piores financeiramente do que há um ano; em julho esse percentual era de 21,3%

SÃO PAULO – A parcela de famílias brasileiras que acreditam estar em uma situação financeira pior do que estavam no ano passado aumentou em agosto, em relação ao mês anterior. No mês passado, 22,7% das famílias acreditavam terem piorado de situação, contra 21,3% em julho.

Mesmo assim, a maioria das famílias brasileiras ainda se mostra mais satisfeita em relação à sua situação financeira atual. Em agosto, 73,8% das famílias pesquisadas indicaram que estão melhor financeiramente hoje do que um ano atrás.

Os dados fazem parte do IEF (Índice de Expectativas das Famílias), divulgado nesta terça-feira (6) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

PUBLICIDADE

Otimismo por região
Na análise regional, o Centro-Oeste mostrou a maior porcentagem de famílias que se sentem melhor financeiramente frente ao ano anterior. Na comparação mensal, houve queda no número de famílias que se sentem melhor em relação às suas finanças, passando de 83,9% em julho para 79,7% em agosto.

As demais regiões, exceto o Sudeste, também apresentaram queda em comparação com os percentuais de julho. O Sudeste subiu de 75,8% para 79,2%.

O Nordeste ficou na terceira posição, com 74%, seguido pelo Norte, com 67,7% de famílias que se sentem melhor financeiramente. A região Sul, por sua vez, fica com 57,8%, menor taxa entre as regiões do País.

Futuro
Quando analisadas as projeções futuras, o Norte apresenta o maior otimismo entre as famílias em relação às suas condições financeiras daqui a um ano, com 92%.

Ainda sobre o futuro, a região Centro-Oeste apresentou o segundo maior índice, de 89,1%, seguida pelo Sudeste (81,4%), Nordeste (81,4%) e Sul (73,5%).

Expectativa por renda
O estudo ainda mostra que todas as classes de renda compartilham de uma expectativa otimista quanto ao futuro financeiro.

PUBLICIDADE

Entre aqueles com ganhos de até um salário mínimo, 78,69% acreditam que a situação financeira irá melhorar. Já entre os que ganham de um a dois mínimos, 79,13% acreditam que sua situação financeira estará melhor daqui um ano, e 83,48%, entre aqueles que ganham de dois a quatro salários mínimos, também têm boas expectativas.

O otimismo com relação ao futuro entre as famílias com renda de quatro a cinco salários mínimo foi de 87,19%. Entre aqueles com ganhos de cinco a dez salários mínimos, 87,85% têm boas expectativas, e entre os que recebem mais de dez mínimos, 74,39% pensam o mesmo.