Com aumento do mínimo, brasileiro trabalhou menos para comprar cesta básica

Em média, o trabalhador necessitou cumprir 102 horas e 16 minutos em março para adquirir os itens essenciais

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O brasileiro que recebe um salário mínimo teve de trabalhar um pouco menos no terceiro mês de 2008 para comprar os bens alimentícios essenciais. Esta redução, segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), pode ser justificada pelo aumento do mínimo em março, que passou de R$ 380 para R$ 415.

Em média, o trabalhador necessitou cumprir 102 horas e 16 minutos em março para adquirir a cesta básica, contra 110 horas e 18 minutos em fevereiro e 106 horas e 36 minutos no terceiro mês de 2007.

Os dados fazem parte da “Pesquisa Nacional da Cesta Básica”, divulgada nesta quinta-feira (3).

São Paulo trabalhou mais para pagar

Aprenda a investir na bolsa

Das 16 capitais analisadas, São Paulo foi a localidade onde as pessoas mais tiveram de trabalhar para conseguir comprar a cesta básica em março: 118 horas e 43 minutos.

Em seguida, vieram os residentes das cidades de Porto Alegre (114 horas e 34 minutos) e Rio de Janeiro (113 horas e 48 minutos). Já as cidades onde as pessoas menos tiveram de trabalhar foram Recife (88 horas e 04 minutos) e Aracaju (89 horas e 11 minutos).

Ranking

Confira, na tabela abaixo, o tempo de trabalho necessário para a aquisição da cesta básica no terceiro mês de 2008, por cidade:

PosiçãoCidadeHoras trabalhadas
São Paulo118h43min
Porto Alegre114h34min
Rio de Janeiro113h48min
Belo Horizonte113h10min
Vitória109h38min
Florianópolis107h20min
Brasília106h28min
Curitiba104h25min
Belém100h56min
10°Goiânia100h41min
11°Natal95h41min
12°Fortaleza92h50min
13°Salvador90h51min
14°João Pessoa90h02min
15°Aracaju89h11min
16°Recife88h04min

Fonte: Dieese