Carreiras: nunca é cedo para pensar na aposentadoria

Para quem está em começo de carreira, é melhor começar a planejar; veteranos que não pensaram no descanso devem correr atrás do tempo perdido

SÃO PAULO – Imagine que você contribuiu durante cerca de 35 anos para a Previdência Social e, quando resolveu descansar, soube que seu benefício mensal seria de R$ 800, o que não pagaria nem mesmo o aluguel da casa onde mora.

Para quem está em início de carreira, este debate pode parecer insignificante, mas não é! Exatamente pela situação descrita acima é que se faz necessário o planejamento para que você não fique na mão no futuro.

Quanto mais cedo, melhor!

Com o mercado de trabalho saturado, as pessoas têm que formular planos B, C, D e assim por diante, já que não sabem se poderão contar com o emprego quando mais velhos. Isso exige que você se veja fora da empresa, o que pode parecer difícil.

PUBLICIDADE

As pessoas mais jovens têm mais facilidade para planejar outros planos, já que conseguem se ver fora da empresa. Aqueles com mais maturidade nem sempre têm condições de se ver distantes da companhia, já que se tornam mais produtivos à medida que a idade da aposentadoria vai chegando.

Aqueles que já deixaram o tempo passar devem correr, enquanto quem ainda está em início de carreira deve começar a pensar no assunto.

Planejamento

O planejamento começa quando você define aonde quer chegar. Quanto precisará para pagar suas despesas básicas? Quanto precisará receber para não depender de familiares?

Depois disso, pense com quais receitas você poderá contar. Some tudo e procure estimar com quanto poderá contar ao se aposentar. A diferença terá que ser equilibrada com renda de trabalho. Você terá que se manter na ativa ou viverá com uma redução no seu padrão de vida?

Estime também o que precisará juntar e, para que isso aconteça, quanto deverá poupar num determinado período para atingir esta meta. Por exemplo: R$ 330 mensais ou R$ 1.100 bimestrais. Uma ótima dica, já que o planejamento começará cedo, é sempre rever suas técnicas.

Como assegurar aposentadoria tranqüila?

É certo que quando falamos em planejar a aposentadoria, entende-se que o profissional terá que guardar certa quantia. Gaste o que for necessário para suas despesas fixas, para um pouco de lazer, mas não se esqueça de guardar para assegurar seu descanso e uma renda para depois que parar de trabalhar.

Depois de notada esta necessidade, você deve se perguntar o que fazer. A primeira aplicação que lhe vem à cabeça é investir o dinheiro na poupança, com a qual a maioria das pessoas está familiarizada. Apesar de já conhecer este tipo de aplicação, você deve pensar que existem alternativas, e mais rentáveis.

Planos de previdência

Uma delas são os chamados planos de previdência privada, comercializados por seguradoras e bancos, os quais aplicam seus recursos de maneira variada, mas em geral garantem uma rentabilidade maior que a poupança. Especialmente se a intenção é investir por prazos mais longos.

Mas é preciso ir com calma, já que existem vários tipos de planos de previdência, que se diferem pelo rendimento, tratamento fiscal etc. Dessa maneira, é preciso ter em mente qual o plano que melhor se adapta ao ser perfil e necessidades, comparando benefícios e custos.