AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Câmara aprova proposta que pede reajuste do FGTS pelo IPCA e não pela TR

Para os autores da proposta, a perda de rendimento acumulado da TR em relação ao IPCA, nos últimos seis anos, é de 30,34%

SÃO PAULO – A Comissão de Legislação Participativa da Câmara deu parecer favorável, na última semana, à sugestão, de autoria da UGT (União Geral dos Trabalhadores) e do IFF (Instituto FGTS Fácil), que propõe que o índice de atualização monetária, que atualiza o saldo das contas no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), passe de TR (Taxa Referencial) para o IPCA do IBGE.

O objetivo da proposta, segundo Mario Avelino, presidente do IFF, é garantir um melhor rendimento ao saldo do fundo ao trabalhador.

Na ponta do lápis

De acordo com Avelino, a perda de rendimento acumulado da TR em relação ao IPCA no período de novembro de 2002 a novembro de 2008 é de 30,34%. “O que equivale a uma perda acumulada sobre o saldo base de R$ 131,9 bilhões de R$ 55,7 bilhões, sem considerar a perda dos novos depósitos que entraram a partir de 2002, o que dá uma perda total de mais de R$ 60 bilhões”, contabiliza.

A tabela abaixo detalha, de acordo com os cálculos do IFF, as perdas geradas pelo uso da TR como índice de atualização das contas do FGTS, na comparação com o IPCA.

PeríodoPerda gerada pela TR em relação ao IPCA
(em bilhões)
Percentual da perda
11/2002 a 12/2002R$ 5,0743,81%
01/2003 a 12/2003R$ 9,4656,58%
01/2004 a 12/2004R$ 9,6296,38%
01/2005 a 12/2005R$ 7,5464,72%
01/2006 a 12/2006R$ 3,8542,29%
01/2007 a 12/2007R$ 7,1944,09%
01/2008 a 12/2008R$ 13,0287,08%
Total da perdaR$ 55,78930,34%

Observações:
O saldo inicial de R$ 131.9 bilhões é baseado no Balanço Anual do FGTS apresentado pela Caixa Econômica Federal.
Apesar da TR (Taxa Referencial) estar sendo usada no FGTS desde março/1991, até o ano de 1998, ela rendeu mais que o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo), sendo o rendimento excedente de 16% a mais, compensado até zerar este excedente no mês de outubro/2008.

Mais sobre o tema

Em paralelo à sugestão aprovada pela CLP, o senador Tasso Jereissati entrou com o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 193, que tem por objetivo alterar a fórmula de correção dos depósitos efetuados nas contas vinculadas do FGTS, substituindo a taxa referencial de juros (TR) pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O projeto já foi aprovado pela Comissão de Assuntos Sociais e segue em tramitação no Senado.

Para Avelino, “esses filhotes da sugestão”, como se referiu à proposta do senador, são benéficos, pois podem facilitar a aprovação da mudança. “Aprovar vários pedidos de uma vez é mais difícil do que analisar apenas um”, disse.

Outras propostas

PUBLICIDADE

A sugestão da UGT e do IFF contém oito propostas de alteração na lei 8.036, de 1990, que trata do FGTS.

Confira o parecer da relatora, deputada Luíza Erundina, para cada um dos pedidos:

  1. O índice de Atualização Monetária, que atualiza o saldo das contas no FGTS, passe de TR (Taxa Referencial) para o IPCA do IBGE.

    Parecer da relatoria – aprova, propondo que seja feita a mudança da TR pelo IPCA.

  2. 50% (cinqüenta por cento) do lucro obtido com o FGTS nos financiamentos da casa própria e de obras de infra-estrutura e saneamento básico sejam repassados para o trabalhador. Hoje todo o dinheiro vai para o governo.

    Parecer da relatora – aprova, propondo que seja repassado 30% (trinta por cento) do Lucro Liquido obtido com as aplicações do dinheiro do trabalhador no FGTS.

  3. O trabalhador possa aplicar até 10% do seu FGTS em Fundos de Ações / Investimentos.

    Parecer da relatora – aprova, propondo que seja aplicado no máximo 5% (cinco por cento).

  4. Diminua de 3 anos para 1 ano o prazo para o trabalhador poder sacar o FGTS em conta inativa, quando estiver fora do regime do FGTS.

    Parecer da relatora – aprova a redução.

  5. Reduz de 70 para 60 anos o limite de idade para o trabalhador sacar a qualquer momento seu FGTS.

    Parecer da relatora – não foi aprovado.

  6. Diminuição no prazo de recolhimento em atraso do FGTS de 30 anos para um ano.

    Parecer da relatora – não foi aprovado.

  7. Quando a empresa recolher o FGTS em atraso, 75% da multa deste recolhimento seja repassado para o trabalhador prejudicado.

    PUBLICIDADE

    Parecer da relatora – aprovado o repasse de 50% da multa para o trabalhador.

  8. Divisão igualitária do número de representantes de trabalhadores, empresários e governo no Conselho Curador do FGTS, que decide o destino das aplicações do dinheiro do FGTS.

    Parecer da relatora – não foi aprovado.

Tramitação

Para ir a plenário, a proposta ainda precisa receber parecer favorável em mais duas comissões. Depois precisa passar pelo Senado e, então, aguardar sanção presidencial. “Esperamos que todo o trâmite aconteça em 2009”, finalizou Avelino.