Planeje sua mudança

4 dicas para fazer uma transição de carreira para o mercado financeiro bem-sucedida

Especialista explica as diferenças nas dinâmicas de bancos, gestoras e corretoras e dá dicas para a migração para o mercado financeiro

Time de analistas junto a gráficos, profissionais do mercado financeiro, brokers
(gorodenkoff/GettyImages)
Aprenda a investir na bolsa

Dúvida do leitor: Como me organizar para uma transição de carreira para o mercado financeiro?  

Resposta de Bianca Juliano*:

Se você está está buscando migrar de carreira para o mercado financeiro, a palavra organizar, que você mesmo usou, é peça-chave para uma transição bem feita e saudável.

Aprenda a investir na bolsa

Eu gosto de tratar o tema como um processo, como tudo na vida. E todo processo executado com excelência começa com um bom planejamento que atenda, respeite e se comunique com o seu propósito de vida. Ou seja, sugiro que comece por um plano para alcançar seu sonho grande.

A seguir, destaco alguns tópicos que considero importantes para compor essa fase de planejamento:

1) Busque uma ambientação

Mergulhe no ambiente que você quer estar antes da transição. Busque conhecer pessoas que fazem parte desse universo e procure entender mais sobre a rotina delas e qual é o verdadeiro papel e a missão desse tipo de profissional no atual contexto do mercado.

Estude questões técnicas necessárias para a carreira. Siga pessoas do meio. Observe seus comportamentos, afinal, soft skills (habilidades comportamentais) são essenciais no mercado financeiro, a despeito da crença corrente de que só hard skills (qualidades técnicas) importam –  especialmente no caso de uma transição de carreira.

Busque inspiração neste meio, conteúdos, leituras, aulas, cursos, livros, contatos. Isto é o que chamo de ambientação.

Estando bem ambientando, fica muito mais fácil de você, além de ter certeza da escolha, poder montar um cronograma de objetivos, ações e datas para realizar a transição, ou seja, seus próximos passos.

2) Prepare-se financeiramente para a transição

PUBLICIDADE

Algo muito importante que sugiro que você considere na hora de se planejar é o plano de viabilidade financeira para a transição ocorrer de forma saudável.

Esteja munido de um “pé de meia financeiro” para suportar a transição, por pelo menos um ano. Seria uma reserva para que você possa dar o tempo de sua nova carreira trazer frutos, afinal, como toda mudança e todo começo, você precisará ter humildade e paciência para entender que não se colhem bons frutos sem plantar e semear muito. Ao aliar qualidade à intensidade, é possível reduzir esse prazo até a colheita. Seja disciplinado, focado, obstinado e sempre, precavido.

3) Observe as profissões em alta no mercado

As profissões no setor financeiro estão crescendo muito com a evolução do mercado de investimentos.

Com a situação econômica atual do país e a queda histórica da taxa básica de juros, a Selic, os investidores individuais estão buscando mais a Bolsa e profissionais especializados em investimentos. Eles precisam arrojar seus investimentos para continuar ganhando um rendimento compatível com os altos juros proporcionados pelos investimentos mais conservadores nos últimos anos.

Nesse movimento, também existe uma forte migração de clientes dos grandes bancos tradicionais para as corretoras especializadas em investimentos, que possuem plataformas mais modernas, maior variedade de produtos, além de taxas mais atraentes. E por isso algumas profissões têm se destacado neste contexto.

Respondi aqui, nesta mesma coluna anteriormente, sobre três profissões em crescimento no mercado financeiro: broker, analista e assessor de investimentos, mostrando em um infográfico as diferenças entre elas.

4) Entenda a dinâmica de cada tipo de empresa

No mercado financeiro ainda destaco que, do ponto de vista de quem contrata, entre os principais tipos de empresas que você pode ter no radar estão: bancos, corretoras, escritórios de agentes autônomos de investimentos e gestoras.

Nos bancos você tende a encontrar mais estrutura, times e organogramas mais tradicionais, assim como as formas de remuneração.

PUBLICIDADE

Já em corretoras e escritórios de agentes autônomos de investimentos você deve encontrar mais autonomia, mais abertura a novas ideias, uma demanda maior por proatividade e protagonismo dos profissionais.

E nas gestoras o ambiente é mais analítico, a estrutura costuma ser menor, com times mais enxutos e, por isso, a experiência acaba sendo um fator de grande relevância no processo seletivo.

Não existe receita de bolo perfeita, mas ter visto inúmeras transições bem sucedidas e outras nem tanto, por mais de 14 anos no contexto da rede distribuição de investimentos XP, eu destacaria realmente os pontos acima.

Esteja preparado e inspirado, com a mente aberta para um novo ciclo de muita transpiração!

Te desejo muito sucesso!

Quer tirar alguma dúvida sobre carreira? Envie sua pergunta para o e-mail carreira@infomoney.com.br. A próxima resposta dos nossos especialistas pode ser a sua!

*Bianca Juliano é formada em administração e é especialista em carreiras do mercado financeiro, educação online e processos de gestão e liderança. Sócia da XP Inc. e há 14 anos na companhia, estruturou processos de gestão e performance em toda a rede de distribuição B2B (entre empresas), fundou a área de gestão e performance de escritórios e hoje é responsável pela escola de MBAs do grupo, a Xpeed School Pro.

Saiba tudo sobre a profissão mais promissora dos próximos 10 anos: conheça o MBA em Investimentos e Private Banking do InfoMoney em parceria com o Ibmec!

PUBLICIDADE