Conteúdo editorial apoiado por

Temu, a ‘nova Shopee’, pede registro e acelera chegada ao Brasil, diz jornal

Pedido de certificação na Receita Federal já foi enviado pelo programa de conformidade Remessa Conforme; Temu tem sortimento de categorias mais amplo que o da Shein e se assemelha ao da Shoppe

Equipe InfoMoney

Temu, aplicativo do mercado online chinês, que está chegando ao Brasil (Bloomberg)

Publicidade

A Pinduoduo, terceira maior plataforma de serviços digitais da China, está entrando definitivamente no mercado brasileiro por meio do marketplace Temu, sua operação de vendas internacional. Essa chegada vinha sendo anunciada desde o ano passado.

Segundo o jornal Valor Econômico, o pedido de certificação na Receita Federal já foi enviado pelo Remessa Conforme, programa de conformidade que permite a chegada de encomendas abaixo de US$ 50,00 sem o pagamento do imposto de importação de 60%.

Esse pedido de certificação foi feito por meio da Elementary Innovation Pte, braço de negócios da Temu sediado em Cingapura. A transportadora que deve operar com a Temu no Brasil será a J&T Express Brazil, segundo os registros da Receita.

Continua depois da publicidade

Diferentemente da Shein, que é reconhecida como uma plataforma de moda, a Temu possui um sortimento de categorias muito mais amplo, com mais de 30 grandes categorias de produtos, como pets, vestuário, brinquedos, casa e eletrônicos, e, portanto, é mais comparável à proposta de valor do Shopee.

A plataforma de comércio eletrônico de propriedade chinesa teve receita de 88,9 bilhões de yuans (US$ 12,4 bilhões) no quarto trimestre do ano passado, no primeiro crescimento de três dígitos da empresa desde o primeiro trimestre de 2021.

Segundo a Bloomberg, o forte desempenho decorreu dos investimentos na Temu, incluindo anúncios de destaque no Super Bowl e gastos generosos em outras plataformas de anúncios, incluindo a Meta e o Google.