Conteúdo editorial apoiado por

Rally de carros italianos clássicos testa o apetite dos americanos pela estrada

A Mille Miglia, rali italiano criado em 1927 e limitada a participantes com carros construídos até 1958 vai chegar aos Estados Unidos; entenda

Bloomberg

A vintage Alfa Romeo Sprint Pininfarina at the 1000 Miglia 2010, a 1,000-mile rally held each year from Brescia, Italy, to Rome and back. Organizers are expanding the event to the US and beyond.
A vintage Alfa Romeo Sprint Pininfarina at the 1000 Miglia 2010, a 1,000-mile rally held each year from Brescia, Italy, to Rome and back. Organizers are expanding the event to the US and beyond.

Publicidade

(Bloomberg) — Em 11 de junho, Caroline Cassini e seu marido, Jakob Greisen, entraram em um carro de 90 anos e começaram a dirigir em alta velocidade por cinco dias ao longo de 1.600 quilômetros nas estradas públicas mais movimentadas da Itália.
Seu roadster Fiat 508 S Balilla Coppa d’Oro 1934 não é um calhambeque. Projetado pelos principais engenheiros da época, com uma caixa manual de três velocidades, freios a tambor e velocidade máxima de 80 km/h, ajudou a Fiat a incorporar conveniências práticas em veículos acessíveis.

Conheça o Método Warren Buffet de avaliar empresas e saiba como interpretar os indicadores para fazer as melhores escolhas

E este não é um desfile casual. O casal de Los Angeles enfrenta outros 400 carros nas 1000 Miglia, também conhecidas como Mille Miglia, um rali cansativo realizado em forma moderna desde 1977, quando foi revivido após anos de dormência devido às mortes de participantes e espectadores que remontam ao seu início em 1927. Naquela época, ao contrário do ritmo mais regulamentado de hoje, os carros corriam em velocidades vertiginosas. O diretor Michael Mann retratou um dos piores acidentes em seu filme de 2023, Ferrari. (Na época, Enzo Ferrari foi acusado de homicídio culposo pela morte de dois motoristas e nove espectadores, incluindo cinco crianças. A acusação foi indeferida em 1961.)
Leia também: Como é dirigir o carro conversível de R$ 1,7 milhão da McLaren; veja imagens

Continua depois da publicidade

Um item da lista de desejos de qualquer colecionador sério de carros, o 1000 Miglia atrai patrocinadores como Chopard e J.P. Morgan Private Bank, além de muitas centenas de pedidos de inscrição a mais do que os aceitos. Todos os carros devem ter sido fabricados em 1957 – o último ano em que o Mille original foi executado – e as cidades rurais pagam milhares de euros para garantir que os organizadores conduzam os velhos Mercedes-Benz Gullwings e Ferrari Spyders pelas suas ruas. Muitas pessoas – nonnas, bambinos, carabinieri – alinham-se na estrada do amanhecer à meia-noite, em todos os tipos de clima, para pedir aos motoristas: “Andiamo! Vai, vai, vai!”

No próximo ano, porém, Cassini e Greisen não terão que ir tão longe para dar o pontapé inicial: o 1000 Miglia está chegando à Flórida. Faz parte do plano da organização exportar o automobilismo italiano para o resto do mundo.

“O crescimento desta marca nos EUA é uma fonte de orgulho”, disse Alberto Piantoni, CEO da 1000 Miglia Srl, órgão oficial do evento, em comunicado sobre a mudança.

Continua depois da publicidade

Marcado para 22 de fevereiro, o 1000 Miglia Experience Florida vai de Coral Gables, passando por Everglades, até Nápoles, São Petersburgo, Cabo Canaveral e West Palm Beach, antes de retornar a Miami. O rali de 1.600 milhas é limitado a 120 veículos, com uma taxa de inscrição de US$ 12.000 por carro, e alguns vencedores da classe têm entrada garantida nas 1000 Miglia de 2026, na Itália.

A competição 1000 Miglia começou em 1927, com centenas de carros construídos antes de 1958 viajando por várias cidades italiandas. Agora, em uma versão mais moderna do rali, participantes dirigem pelo camp perto de Assisi. (Foto: Pietro D’Aprano/Getty Images Europe)

A emoção do rali

Com uma história quase tão antiga quanto os próprios carros, os ralis de automóveis proporcionam aos entusiastas uma sensação de aventura, camaradagem e competição. Alguns são dominados por profissionais, outros por amadores. Apenas listar seus nomes evoca uma emoção épica e exótica: Le Rallye Aïcha des Gazelles; o Rally Paris-Dakar; o Rally Rebelle; o Rally das Princesas; La Carrera Panamericana.

“Não viajo muito, não tiro grandes férias, então essas competições são uma forma de encontrar boas estradas”, diz Paul Kramer, fundador da Auto Kennel, uma loja em Orange County, Califórnia, especializada em Porsches colecionáveis. Kramer completou mais de 100 ralis em sua vida – e mais de 30.000 milhas de ralis no ano passado. “Quando comecei a fazê-los, eu era como um diabético que finalmente conseguia comer doces. Eu me empanturrei. Eu não conseguia acreditar que eles existiam. Foi quase como entrar em um clube underground.”
Leia também: BYD lança carro de R$ 1,1 milhão para competir com Ferrari e Lamborghini; conheça

Continua depois da publicidade

O 1000 Miglia é um rali TSD (tempo, velocidade, distância). Frequentemente povoados por carros clássicos, os TSDs não são corridas para ver quem consegue chegar primeiro à linha de chegada. Em vez disso, desafiam os concorrentes a serem precisos, a atingir determinados tempos e a completar etapas a velocidades específicas ao longo de um determinado percurso. Dezenas de ralis TSD existem nos EUA, e são realizados há décadas e organizados por clubes de proprietários locais e grupos de afinidade, do Alasca a Nova York.

Carros antigos participando do rali Mille Miglia (Foto: Divulgação/Mille Miglia)

Mas outro estilo de rali ganhou destaque em 1999, quando o empresário britânico Maximillion Cooper fundou o seu rali Gumball 3000. O evento de 3.000 milhas que abrange continentes e nações atingiu os EUA em 2002. Repleto de Lamborghinis, McLarens e Ferraris modernos, atraiu uma base de fãs jovens e abastados e participantes tão díspares como Lewis Hamilton, Kate Moss e Dolph Lundgren. Em 2003, Burt Reynolds narrou o filme de 98 minutos Gumball 3000: The Movie.

“Gumball claramente acendeu algo na cultura dos EUA em torno de corridas”, diz Alex Roy, que participou de dezenas em todo o mundo, incluindo cinco Gumballs. Em 2007, ele e um navegador cruzaram os EUA em 31 horas e 4 minutos. O feito recorde, conhecido como Cannonball Run, foi documentado no filme APEX de 2019: The Secret Race Across America.

Continua depois da publicidade

Com prêmios concedidos para melhor carro, melhor acabamento e melhor estilo, além de taxas de inscrição que se aproximam de US$ 100 mil, Gumball ganhou uma reputação de ‘decadência’. O rali Gold Rush de estilo semelhante (taxa de entrada de US$ 25.000) e o agora extinto rali BullRun seguiram-se em 2009 e 2004, respectivamente, abrangendo o país com rotas variáveis, incluindo Los Angeles a Miami. “O que torna Gumball atraente são as pessoas que acreditam que é uma corrida e que é meio sujo e ilegal”, diz Roy. “Isso desencadeou o que agora é uma abundância de ralis como esse.”

A maioria dos ralis nos EUA fica em algum lugar entre um vale-tudo no estilo Gumball e o formato TSD mais rígido. Muitos têm fins lucrativos; outros beneficiam instituições de caridade. A maioria tem certas restrições quanto à idade e tipo de carro convidado a participar, como o Texas Hill Country Rallye, que permite apenas Porsches refrigerados a ar construídos de 1949 a 1989. Alguns reduzem a quantidade de matemática e cálculo para se tornarem simples eventos de navegação, enquanto outros , como o Overcrest Rally (as taxas de entrada variam de US$ 300 a US$ 600 por carro; hospedagem não incluída), eliminam totalmente o tempo, concentrando-se em destinos pitorescos e em criação de vínculos.

“Toda a vibração deles é trazer esquisitos que gostam de dirigir e explorar juntos”, diz Steve Pelletier, um morador de Oregon que dirigiu o Overcrest em seu Porsche 911 de 1986 em 2023 e 24. “Fiz muitos novos amigos.”

Três comícios emblemáticos nos EUA acontecem há décadas: o Copperstate 1000 (US$ 10.500 por carro), em abril; o Colorado Grand (US$ 9.500), em setembro; e California Mille da Hagerty Inc. (US$ 15 mil), em maio. (A palavra mille significa 1.000 em italiano.)
Este ano, o California Mille incluiu 73 carros antigos passando pelo sul da Califórnia, com paradas em La Jolla, Lake Arrowhead, Pasadena e Valência. O valor da entrada cobre todas as refeições, bebidas, hospedagem, serviço de bagagem, mecânica disponível e entretenimento exclusivo. O rali faz parte da lucrativa divisão de eventos da Hagerty, que cresceu desde o início da pandemia.

“O que vimos do final de 2020 e início de 2021 em diante foi um enorme aumento no entusiasmo por dirigir e no interesse por veículos antigos”, disse o CEO da Hagerty, McKeel Hagerty. “Uma das maiores tendências em jogo é a diminuição de trajetos com marcos específicos o aumento. Isso significa mais condução e, com o crescimento do evento, a capacidade de escolher a sua própria aventura.”

Participantes da corrida 1000 Miglia italiana dirigem por ruas do país (Foto: Divulgação/Mille Miglia)

Preenchendo um espaço no mercado

A 1000 Miglia Srl procura aproveitar esse impulso com a nova corrida na Flórida. Ele foi construído para atrair uma mistura de participantes de rali experientes, novatos e pessoas que amam a cultura italiana, dizem os organizadores.

“1000 Miglia é uma marca italiana de ponta, algo que poderia ser universal”, diz Mario Liguori, vice-presidente e diretor executivo da 1000 Miglia Experience Florida. O contrato da Flórida dura cinco anos; o evento atingirá o ponto de equilíbrio neste primeiro ano e depois se tornará lucrativo, diz ele: “Há potencial”.

Os ralis Miglia “Experience” e “Warm Up” já aconteceram no Japão e nos Emirados Árabes Unidos, ambos em 2023; Setembro verá um na Áustria; e a primeira 1000 Miglia Experience China será realizada em novembro. Em outubro, o quinto 1000 Miglia Warm Up USA anual circulará perto de Washington, DC. Uma experiência Miglia na Costa Oeste também é um objetivo.

Os organizadores dizem que esses relis atraem os consumidores que amam o estilo de vida ‘la dolce vita’ que associam ao automobilismo italiano e atraem patrocinadores que desejam expandir-se para novos mercados. “É uma plataforma muito, muito atrativa para quem já ama a Itália”, diz Liguori, “e é interessante para marcas italianas que querem crescer”.

Há espaço no setor para preencher um ponto ideal entre um evento no estilo Gumball e a atitude sóbria do TSD e dos ralis clássicos. Mas, com uma produção de cerca de US$ 1 milhão, esses passeios são caros e arriscados para serem lançados nos EUA, um mercado ainda não testado em sua capacidade de atrair participantes que possam se dar ao luxo de possuir e manter, digamos, o BMW 328 1938 de US$ 650 mil que é possível ver no trajeto entre Brescia para Roma.

“O que permanece desconhecido é: a marca 1000 Miglia é grande o suficiente para atrair essas pessoas?” diz Roy, o recordista do Cannonball, “porque, a menos que eles tenham um porta-voz, com carisma altíssimo, que possa atrair essas pessoas, eu simplesmente não sei”.

Diz Kramer, o veterano dos ralis: “Penso que a única coisa competitiva que os consumidores americanos quereriam é saber que o seu carro é melhor que o de outra pessoa, o que também me faz passar mal. Ansiamos por novos locais, novas pessoas.”

Depois, há a questão de traçar um percurso que agrade aos participantes dos ralis – um desafio significativo tendo em conta as autoestradas planas e monótonas da Florida, em comparação com as gloriosas passagens alpinas e vias costeiras da Europa. “O percurso é um desafio”, admite Liguori. Enquanto isso, embora muitos participantes esperem hotéis cinco estrelas equivalentes às altas taxas de entrada que pagam, as acomodações de classe mundial na Flórida, fora de Miami, continuam escassas.

Ainda assim, se o fizerem bem, o nível de hospitalidade pode não ser um problema. Um rali bem-sucedido é “uma consequência do gosto dos participantes, que não se pode arquitetar através do local ou do restaurante”, diz Roy. “É social.”

© 2024 Bloomberg L.P.

Tópicos relacionados