Conteúdo editorial apoiado por

Na ‘espuma’ da MP dos fundos exclusivos, novo CEO do Andbank vê oportunidade

Taxação estimulará mudança de estratégia das grandes fortunas, abrindo espaço para operações mais personalizadas, avalia Rodolfo Pousa

Rikardy Tooge

Publicidade

Anunciado nesta semana como novo CEO do Andbank Brasil, grupo financeiro especializado em private banking, Rodolfo Pousa chega em um momento desafiador para a gestão de fortunas (“wealth management”). Na esteira das mudanças promovidas pela Medida Provisória que taxa os fundos exclusivos – que ainda precisa de aprovação no Congresso – o banker já trabalha com cenários para atrair novos clientes.

Para o executivo, no entanto, o desafio imposto pela MP ao segmento se torna uma oportunidade. Pousa explica que o Andbank trabalha com produtos mais segmentados e, em um cenário em que os fundos de cota única tendem a perder a atratividade, cada cliente, que precisa ter um cheque mínimo de R$ 5 milhões, vai demandar uma estrutura de investimento personalizada para obter mais eficiência tributária.

“Estamos 24 horas por dia pensando neste tema, nas alternativas que podemos oferecer. O importante, neste momento, é não tomarmos decisões premeditadas. Há muita ‘espuma’ ainda. O que eu vejo é que vamos precisar de soluções menos padronizadas. Para alguns, faz mais sentido estruturar um fundo de previdência. Para outros, um FIA e outra parte aberto, investindo em produtos isentos [como debêntures incentivadas, LCI e LCA]”, avalia Pousa, em conversa com o IM Business.

Rodolfo Pousa chega ao Andbank Brasil após passagem pela Monte Bravo, onde era head de private banking. Também acumula passagens pelo Banco Safra, Citibank Brasil e Credit Suisse Hedging Griffo. Ele substitui Carlos Foz, que passa a ser chairman da operação brasileira do Andbank. Matheus Wolf, também vindo da Monte Bravo, será o vice-CEO.

Matheus Wolf e Rodolfo Pousa, vice-CEO e CEO do Andbank Brasil (Divulgação)

Em seu mandato, Pousa tem como missão ampliar o crescimento da instituição, nascida em Andorra, dentro do Brasil. Em sua primeira análise, a casa tem que conquistar novos clientes por meio de operações estruturadas. “Não temos que trabalhar na lógica de plataforma, de mostrar um produto que rendeu mais que o CDI. Isso se tornou commodity. Temos que ser mais exclusivos nas soluções”, afirma.

Entre os produtos personalizados, o banker cita a possibilidade de fazer ofertas fechadas, como captação para FIIs, private equity em outros países e club deals. “Recentemente, estruturamos um private equity para fintechs na Europa. Esse é um exemplo que podemos ‘tropicalizar’ alguns investimentos internacionais, até como forma de diversificação.”

Fundado há mais de 90 anos, o Andbank atua em 11 países, entre eles Brasil, EUA, Luxemburgo, Espanha, Uruguai, Mônaco e Andorra, e tem R$ 210 bilhões sob gestão no mundo. No Brasil, o grupo possui atualmente um banco, que está em processo de venda para a Creditas por R$ 500 milhões, além de uma gestora.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Rikardy Tooge

Repórter de Negócios do InfoMoney, já passou por g1, Valor Econômico e Exame. Jornalista com pós-graduação em Ciência Política (FESPSP) e extensão em Economia (FAAP). Para sugestões e dicas: rikardy.tooge@infomoney.com.br