Conteúdo editorial apoiado por

Cruzeiros para ricos sem filhos geram fortuna para fundador da Viking

Riqueza de Torstein Hagen poderá ultrapassar US$ 5 bilhões assim que empresa concluir seu IPO

Bloomberg

Cruzeiro da Viking navega pelo rio Tâmisa. Foto: Bloomberg
Cruzeiro da Viking navega pelo rio Tâmisa. Foto: Bloomberg

Publicidade

Torstein Hagen fundou sua linha de cruzeiros com alguns princípios simples em mente. Entre eles: foco nos ricos, intelectualmente curiosos e sem filhos.

Quase três décadas depois, sua Viking Holdings está entre as maiores operadoras de cruzeiros de luxo do mundo, e a fortuna de Hagen poderá ultrapassar os US$ 5 bilhões assim que a empresa concluir a sua oferta pública inicial (IPO) em Nova Iorque.

A Viking pretende levantar até US$ 1,3 bilhão com a venda de ações, apostando que os investidores estão dispostos a investir dinheiro em um setor que foi dizimado pela pandemia de Covid e agora está se recuperando.

Continua depois da publicidade

Uma listagem no meio da faixa de preço avaliaria a empresa em cerca de US$ 10 bilhões. Hagen controlará pouco mais da metade das ações após a venda, tornando-o a segunda pessoa mais rica do setor, depois do presidente da Carnival Corp., Micky Arison, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Também marcará o auge de um empreendimento que, nas palavras de Hagen, começou com “dois caras com dois telefones celulares e quatro navios fluviais” buscando atrair clientes que buscavam “mais do que apenas férias”. Como o CEO, de 81 anos, disse muitas vezes aos jornalistas: Os cruzeiros são para quem pensa, não para quem bebe.

Continua depois da publicidade

Os representantes da Viking não responderam aos pedidos de comentários sobre o cálculo da fortuna de Hagen feito pela Bloomberg.

Licenciatura em física

Nascido perto de Oslo, Hagen formou-se em física pelo Instituto Norueguês de Tecnologia e possui MBA pela Universidade de Harvard. Após uma passagem pela consultoria de gestão, ingressou na indústria de cruzeiros na década de 1970. Cerca de duas décadas depois, após múltiplas tentativas fracassadas de ajudar a comprar ou de outra forma assumir o controle das empresas de cruzeiros com diferentes grupos de investidores, Hagen liderou a compra dos quatro navios fluviais e formou a Viking.

A empresa inicialmente se concentrou em cruzeiros ao longo dos rios da Europa antes de expandir para viagens marítimas e expedições especiais a lugares como a Antártida e os Grandes Lagos dos EUA. Com sede nas Bermudas, a Viking opera hoje 92 navios e emprega mais de 10 mil pessoas.

Continua depois da publicidade

Seus clientes-alvo: falantes ricos de inglês com 55 anos ou mais, com tempo e dinheiro para explorar o mundo. No ano passado, 90% de seus clientes vieram da América do Norte, segundo o extrato cadastral da empresa. Nos EUA, a faixa etária com mais de 55 anos detém cerca de três quartos da riqueza das famílias do país, mostram os dados da Reserva Federal.

Nos últimos anos, a Viking vendeu participações ao Canada Pension Plan Investment Board e à gestora de ativos alternativos TPG Inc. Ambos irão vender ações na oferta, com cada um detendo 16,5% da Viking após a listagem.

Hagen não venderá ações. Sua filha, Karine, que trabalha na Viking desde sua fundação e hoje é vice-presidente executiva, controlará uma pequena participação de menos de 1%.

Continua depois da publicidade

A Viking disse que os recursos da oferta serão usados ​​para “aumentar nossa capitalização e flexibilidade financeira”, dado o seu “endividamento substancial”. Tinha dívidas de US$ 5,4 bilhões no final de 2023.

Numa carta aos acionistas incluída na declaração de registo, Hagen observou que a empresa vê um grande potencial de crescimento entre os consumidores na China e em outros lugares da Ásia. Isso iria além do “China Outbound”, a oferta de cruzeiros na Europa com tripulações completas de falantes de mandarim que a Viking lançou em 2016. A empresa também está explorando safaris e passeios terrestres.

“Vemos a Viking como o principal fornecedor de experiências de viagem para pessoas pensantes”, escreveu o bilionário na carta. “Não tentamos ser tudo para todas as pessoas.”

©2024 Bloomberg L.P.