Blog InfoMoney

Mario Vitor Rodrigues

Em blogs / economia-e-politica / mario-vitor-rodrigues

Menos, Ernesto

Não se trata apenas de amadorismo, o debate nesse quesito é inglório pois todo o núcleo duro do novo governo cheira a fralda usada por recém nascido, o que impressiona é a sanha pelo estrelato. O desejo de aparecer mais do que deveria

Ernesto Araújo
(Valter Campanato/Ag. Brasil)

Mais do que as chamadas fake news, o que me marcou na última eleição foi a histeria generalizada. Um clima capaz de incutir em todos nós a disposição para debates acalorados até com amigos e parentes. Principalmente com esses.

Em grande medida, essa atmosfera foi alimentada pelos protagonistas da eleição. A histórica capacidade de Jair Bolsonaro para defender o indefensável ganhou os holofotes. Idem para a relutância de Haddad em assumir os crimes cometidos pelo partido.

Ciro também não ajudou. Tampouco tucanos como Tasso e Doria, autores de punhaladas pelas costas como poucas vezes se viu na política nacional.

Pois, se a eleição já acabou e deixou sequelas — o país ferve desde 2013, é bem verdade, mas nem mesmo a apertada vitória de Dilma há 4 anos preparou o terreno para novos embates como agora —, continuam não faltando atores para inflamar as redes sociais.

Sem dúvida, teremos a esquerda habituada a fazer o pior tipo de oposição possível. Não faltarão aqueles que após permanecerem em silêncio durante 14 anos cobrarão como nunca o governo federal.

Assim como já se percebe a disposição do governo recém eleito em fabricar espantalhos que fomentem a dicotomia a ser centralizada por ele próprio durante os próximos anos. A permanência dos médicos cubanos no país ou o Programa Escola Sem Partido são alguns deles.

Contudo, nada me parece ser mais gritante do que a atuação de determinados personagens ainda imberbes no debate público.

Nesse quesito, quem diria, a truculência de Paulo Guedes, os sincericídios de Hamilton Mourão e os arroubos dos filhos do presidente perdem de goleada para o estrelismo do futuro chanceler, Ernesto Araújo.

Não se trata apenas de amadorismo, o debate nesse quesito é inglório pois todo o núcleo duro do novo governo cheira a fralda usada por recém nascido, o que impressiona é a sanha pelo estrelato. O desejo de aparecer mais do que deveria.

Sei lá, posso estar sendo ranzinza além da conta, mas após a exposição de posicionamentos tão amalucados como aqueles em seu blog pessoal, talvez Ernesto devesse baixar a bola ao invés de ficar destilando messianismo nas redes sociais.

Não cabe, a alguém que deveria direcionar os rumos do Itamaraty para trilhos moderados (ao invés de guiná-los na direção extrema oposta àquela adotada na última década), tornar pública a sua veia religiosa e misturá-la com a instituição.

Tampouco tratar o presidente como se fosse um espécie de guru a ser seguido ou alardear via redes sociais o que pensa em fazer no comando da diplomacia brasileira.

O ânimo para a tarefa que se avizinha é compreensível. Inclusive a empolgação. Entretanto, ainda que tão cedo, talvez fosse o momento de Ernesto submergir.
Afinal, a diplomacia, como demonstra a história, sugere discrição.

Aproveite as oportunidades da Bolsa: abra sua conta na Clear com taxa ZERO de corretagem!

 

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Mario Vitor

Autor da editora Nova Fronteira, comentarista político com passagem por blogs nos jornais O Globo e O Estado de São Paulo. Atualmente, colunista na Gazeta do Povo e revista Isto É

Contato