Blog InfoMoney

Economia e politica direto ao ponto

Em blogs / economia-e-politica / economia-e-politica-direto-ao-ponto

Conheça a reforma pouco falada, mas fundamental do governo Bolsonaro

A reforma do setor bancário teria impactos positivos sobre o PIB e o emprego. Essa reforma é fundamental para a redução do custo do capital, aumento da produtividade e, consequentemente, aumento da renda no país.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Bolsonaro e Guedes
(Marcos Corrêa/PR)

Nos meus últimos artigos (aqui e aqui), analisei as medidas do governo Bolsonaro que poderão gerar um crescimento mais robusto do PIB, diminuir o desemprego e aumentar a renda. Entre as propostas estão a Reforma da Previdência, a MP da liberdade econômica, as privatizações e o acordo Mercosul-União Europeia, entre outras.  

No entanto, pouco se fala numa proposta, em andamento, igualmente importante a essas, que teria impactos positivos sobre a renda e o emprego: a reforma do setor bancário.

Essa reforma é fundamental para a redução do custo do capital, aumento da produtividade e, consequentemente, aumento da renda no país.

Alguns importantes estudos mostram uma relação robusta entre desenvolvimento do mercado financeiro (crédito e de capitais) e redução da pobreza (Beck, Demirgüç-Kunt, e Levine, 2004).

De acordo com o relatório do FMI (Brazil: boom, bust, and the road to recovery), a reforma do setor bancário teria um forte impacto sobre a produtividade no Brasil, variável chave para gerar crescimento sustentável de longo prazo.

Ainda de acordo com o relatório, (ver gráfico abaixo, fonte: FMI/Banco Central), o Brasil precisaria avançar bastante na reforma do setor bancário para atingir o nível das economias avançadas.

reforma_estrutural_bcb

A boa notícia é que a reforma contaria com amplo apoio da população, por se enquadrar numa reforma liberal. Como a população brasileira é majoritariamente favorável à economia de mercado (veja gráfico a seguir, fonte: FMI/Banco Central), tem tudo para avançar.

liberalismo_bcb

Com a taxa Selic no patamar mínimo histórico de 6%, a reforma do setor bancário aumentaria a eficiência da transmissão da redução da taxa básica de juros para o barateamento do custo do crédito pessoa física e jurídica.

Entre as medidas dessa reforma estão: ampliação do limite de renda para obtenção de microcrédito para empreendedores, autonomia do Banco central, Lei do Cadastro Positivo aprovada e sancionada, educação financeira e medidas de simplificação cambial.

Invista com segurança: abra uma conta gratuita na XP!

Se essas propostas forem aprovadas, juntamente com a melhora no ambiente fiscal a ser gerado pela reforma da Previdência, a diminuição do custo do capital será sustentável. A consequência dessa redução será o aumento do investimento por parte dos empresários, com efeitos positivos sobre o crescimento econômico e a geração de empregos. Tudo indica que o presidente do Itaú tem mesmo razão: "Reformas deixam Brasil em situação econômica que nunca vi na carreira" (aqui).

Siga Alan Ghani (@AlanGhani) no Twitter, Facebook e Youtube e Instagram e Linkedin

Alan Ghani é economista, PhD em Finanças e professor de pós graduação

 

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Quer dicas exclusivas?

Preencha os campos abaixo e receba dicas e conteúdos exclusivos do blog Economia e politica direto ao ponto

Contato