Em bloomberg / mercados

Governo avalia subir outros impostos após recuo no IR

A ideia que está mais madura é a que prevê aumento da tributação de profissionais liberais que hoje recebem por meio de empresas e contribuem como pessoas jurídicas

(Bloomberg) -- Governo do presidente Michel Temer recuou do plano de criar uma alíquota maior do imposto de Renda Pessoa Física após a forte reação contrária de deputados da base aliada e do empresariado nesta terça-feira, segundo reportagens dos principais jornais, que afirmam que outras medidas nesse sentido não estão descartadas para reforçar o caixa em 2018.

Folha de S.Paulo diz que, para evitar novos aumentos de impostos, o governo ainda conta com a aprovação da reforma da Previdência, do Refis e de uma nova proposta para reoneração da folha de pagamento das empresas
No entanto, se essas iniciativas não forem aprovadas, governo poderá recorrer a ideias em estudo na Receita Federal e no Ministério da Fazenda
A que está mais madura é a que prevê aumento da tributação de profissionais liberais que hoje recebem por meio de empresas e contribuem como pessoas jurídicas, diz a Folha, sem revelar como obteve a informação
O Estado de S. Paulo diz, sem revelar como obteve a informação, que também está em análise o fim de benefícios fiscais dados a setores específicos como exportadores e indústria química
O Globo diz citando técnicos não identificados da área econômica, que outros aumentos de impostos ainda estão em estudo, como a cobrança de IR sobre lucros e dividendos, o fim do Reintegra e uma ampla revisão da tributação sobre investimentos no mercado financeiro, como a isenção de IR para investimentos de pessoas físicas em letras de crédito rural e imobiliário, as LCA e LCI
Jornal acrescenta, citando os técnicos, que sem medidas extras de cortes de gastos e de elevação de receitas será impossível atingir a meta fiscal de 2018, de déficit primário de R$ 129 bi, e que é grande a probabilidade de que o compromisso deste ano, de déficit de R$ 139 bi, também não seja atingido
Equipe econômica estuda a estratégia de encaminhar ao Congresso um aumento do rombo para 2017 e manutenção do compromisso de 2018, para sinalizar ao mercado que não abandonou o compromisso com o reequilíbrio fiscal
Defensores da manutenção da meta de 2018 tentam recorrer a medidas para assegurar o resultado, caso da ideia de criar uma alíquota maior do IR das pessoas físicas, diz O Globo
NOTA: Nesta terça-feira, Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República disse em nota que governo não encaminhará proposta de elevação de IR
Comunicação ocorreu após presidente Temer dizer que há estudos para alterar alíquota do IR, mas nada decidido
Quando estudo sobre IR chegar a mim tomarei decisão, disse ministro da Fazenda, Henrique Meirelles disse na noite desta terça-feira

 

Esta matéria foi publicada em tempo realapara assinantes do serviço BloombergaProfessional.

Michel Temer - Bloomberg
(Bloomberg)

Contato