Seu carro facilmente lhe custa R$ 2.500 por mês. Duvida?

Cálculo correto das despesas geradas por um carro mostra como esse bem pesa no orçamento das famílias e escancara as vantagens de optar por outros meios de transporte
Blog por João Sandrini  

(SÃO PAULO) – Poucas despesas são tão subestimadas pelos brasileiros quanto os custos de ter um carro na garagem. Em geral, as pessoas não percebem as diversas despesas que só tem quem possui um automóvel e simplificam o cálculo de forma que os gastos não pareçam tão salgados. Mas vou detalhar nesse texto a fórmula que considero a mais correta para estimar os gastos gerados por um veículo para que você entenda como os “custos ocultos” podem facilmente elevar a despesa mensal de um carro comprado por R$ 50.000 para mais de R$ 2.500 mensais. A fórmula é baseada na proposta apresentada pelo profissional CFP (certified financial planner) Valter Police no excelente livro “Meu Planejamento Financeiro”, com algumas adaptações feitas por mim mesmo.

Inicialmente considere um veículo com as seguintes características:

Informações básicas para os cálculos
Custo de compra do carro R$ 50.000
Valor pago à vista R$ 25.000
Valor financiado R$ 25.000
Taxa efetiva de juros do financiamento ao mês 1,50%
Prazo do financiamento (em meses) 60
Alíquota de IPVA no seu Estado para seu carro 4,00%
CDI 12,60%

 

Um carro como esse vai gerar algumas despesas que independem do valor pago pelo automóvel e são mais perceptíveis. Considerando meu próprio caso, descrevo abaixo as despesas que tinha quando ainda possuía um veículo: 

Custos que independem do valor do carro (ao mês)
Combustível R$ 300
Multas R$ 20
Manutenção / revisão / pequenos reparos R$ 150
Pedágio R$ 30
Estacionamento R$ 200
Lavagem R$ 40
Custo de oportunidade do aluguel da sua garagem a um terceiro se você não tivesse carro R$ 200
Total R$ 940


A seguir é preciso considerar os gastos que dependem do valor do carro - muitos deles não são notados pela maioria das pessoas. Considerei que o seguro custa 3% do preço de compra do veículo ao ano, o IPVA é de 4%, o dinheiro pago à vista renderia CDI se ficasse no banco aplicado, o valor do automóvel se deprecia a um ritmo de 10% ao ano e o custo das parcelas do financiamento inclui os juros mais a amortização: 

Custos que dependem do valor do carro (ao mês)

Seguro R$ 125,00
IPVA + DPVAT + licenciamento R$ 181,67
Custo de oportunidade por não deixar o dinheiro no banco R$ 248
Depreciação (ou perda de valor do veículo ao longo do tempo) R$ 416,67
Parcela mensal do financiamento R$ 634,84
Total R$ 1.607

 

Pronto. Somando as duas contas, alguém que tenha comprado um carro de R$ 50.000 terá uma despesa total de R$ 2.547 por mês nessas condições. Está surpreso? Acredito que as pessoas não percebam esse custo como tão elevado por três motivos: 1) poucos brasileiros fazem um controle mensal dos próprios gastos; 2) algumas despesas, como de manutenção, não são regulares e acabam não entrando na conta mesmo quando a pessoa possui uma planilha de orçamento pessoal; e 3) quase ninguém incluiria nessa conta “gastos ocultos” como o custo de oportunidade por não alugar a garagem no prédio onde mora, o custo de oportunidade por não deixar o dinheiro no banco rendendo juros ou a depreciação do veículo. Mas saiba que o diretor financeiro de qualquer empresa levaria tudo isso em consideração na hora de fechar o balanço da companhia.

Você pode estar pensando que esse post não serve para você porque o custo de compra do seu carro é bem diferente de R$ 50.000, você nunca toma multas, não há despesas com estacionamento no seu caso, seu carro não é financiado, etc. Eu já contava com isso. Por isso desenvolvi uma planilha que calcula o custo mensal do seu veículo considerando seus gastos. A ideia é que você tenha uma ferramenta de decisão para avaliar se faz mesmo sentido ter um carro ou seria melhor usar o transporte público.

Não tenho a pretensão de mudar os hábitos de vida das pessoas. Entendo que carro é essencial para quem tem filhos pequenos, para pessoas de idade, para quem faz vários deslocamentos ao dia e para quem mora longe do trabalho, entre outros exemplos. Também sei que o transporte público deixa muito a desejar em quase todo Brasil. Mas convido os leitores a baixar a planilha, gastar um ou dois minutos preenchendo os campos com suas próprias estimativas de gastos, deixar a planilha fazer os cálculos observar a despesa total gerada por um carro ao mês e depois refletir se realmente faz sentido ter esse bem. Lembre-se que esse dinheiro poupado e bem aplicado poderia ser suficiente para comprar uma casa - sim, um imóvel - ou antecipar em 10 anos sua aposentadoria.

Leia também nesse blog:

Saiba qual é a aplicação mais rentável entre as de risco baixo

O jeito mais prático de ganhar com a alta do dólar e das Bolsas dos EUA

Qual é a melhor forma de comprar dólar para viajar?

Deixe seu comentário

Dicas Exclusivas

Insira seu melhor email e receba dicas e conteúdos exclusivos sobre como investir com sucesso.

Perfil do autor

É editor-chefe do InfoMoney. Atua como planejador financeiro com CFP® (certified financial planner), analista de ações com CNPI (certificado nacional do profissional de investimento) e consultor de valores mobiliários autorizado pela CVM. Possui 15 anos de experiência em mercado financeiro como jornalista, professor e assessor na montagem de carteiras de investimento. Graduou-se em Jornalismo pela ECA-USP e concluiu dois MBAs pela FIA. joao.sandrini@infomoney.com.br