Stock Pickers

O conselho de Martin Escobari: “estar aberto à magia do caos”

Co-presidente da General Atlantic comentou o sucesso em investimentos de XP a TikTok e por que a gestora não investiu em Amazon quando valia US$ 10 mi

Humilde, o hoje brasileiro (mas boliviano de nascença) Martin Escobari, co-presidente do fundo de private equity General Atlantic e um dos grandes investidores retratados no livro “Fora da Curva 2”, gosta de dizer que tudo o que aconteceu de bom na sua vida foi “sorte” – inclusive a bolsa de estudos em Harvard que garantiu no passado.

Mas, assim que começa a falar sobre suas teses de investimento, dá para perceber que não foi só a sorte que construiu esse caminho de sucesso: ele também tem um faro impressionante para negócios. Para entender do que eu estou falando, é só assistir ao Stock Pickers especial no player acima.

PUBLICIDADE

Na entrevista, Escobari lembrou muitos acertos em decisões de investimento, como Arco Educação, ByteDance (dona do TikTok) e a própria XP. Dentre os erros, o mais marcante foi o “não investimento” na Amazon no final dos anos 90, quando a GA avaliou a companhia em US$ 10 milhões mas perdeu o investimento “por besteira”, diz o executivo. Hoje, a Amazon vale quase US$ 1,5 trilhão.

Segundo Escobari, um dos segredos para farejar o potencial de uma empresa é “estar aberto à magia do caos”. Em outras palavras, é necessário identificar padrões e acertos “caóticos” em modelos de negócios – as falhas na Matrix que levam às respostas corretas.

Sua história para exemplificar esse ensinamento é a de quando ele descobriu que 30% dos alunos do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) eram cearenses, mesmo correspondendo a menos de 5% da população brasileira. Investigando esse padrão, ele descobriu o modelo de negócios da Arco Educação, um dos investimentos mais frutíferos da GA. “O que era a magia? Foco no professor. “O grande problema do Edtech era que os professores não entendiam de tecnologia e eram humilhados pelos alunos”, disse ele, o que a companhia conseguiu resolver.

Crise

Para o sócio da GA, as crises são momentos em que as empresas mais preparadas ganham muita vantagem em relação às suas competidoras. Sua aposta é que os campeões da crise do coronavírus serão os bem capitalizados, com cultura forte e eficiência, mas principalmente os digitais, disruptivos e criativos.

“No digital o desafio é óbvio, mas a criatividade é o contrário da eficiência”, disse. “Para você criar, precisa estar aberto ao desperdício, a testar coisas. Criação é superficialidade, errar muito, descobrir coisas em lugares a que ninguém achava que deveria ter ido”.

Por outro lado, é preciso ter uma operação muito bem organizada e com certa folga financeira para passar por momentos como esse, ele pondera.

PUBLICIDADE

Por isso, Escobari diz que “nessa revolução, apostaria minhas fichas nos guerrilheiros criativos, mas não todas as fichas: não subestime a organização”.

Quer receber a Newsletter do Stock Pickers? Preencha o campo abaixo com seu nome e seu melhor email