Coffee & Stocks

Menos dívidas, mais dividendos e 17 milhões de pares de tênis: o case de Vulcabras (VULC3)

Octavio Magalhães, da Guepardo, explica porque investe em Vulcabras.

Por  Renato Santiago -

Nos últimos 18 meses, quatro grandes players do setor de calçados brasileiros fizeram movimentos importantes nos seus portfólios de marcas. Enquanto a Centauro (SBFG3) licenciava a Nike no Brasil, a Alpargatas (ALPA3) vendia a Mizuno para a Vulcabras (VULC3), que, por sua vez, licenciava a marca Azaleia para a Grendene (GRND3).

Essas mudanças parecem trazer mais racionalidade para o mercado. Após a dança das cadeiras, Alpargatas foca no seu principal ativo, a Havaianas, Grendene se concentra no mercado de sandálias e calçados femininos, sua especialidade, enquanto a Centauro, unindo-se à Nike, põem fim a uma guerra de preços no segmento. 

A Vulcabras emerge como a principal fabricante de tênis e calçados esportivos no país, unindo sua marca proprietária, a Olympikus, à Mizuno e Under Armour.

A empresa foi o assunto do Coffee & Stocks desta quinta-feira, com Octávio Magalhães, da Guepardo Investimentos. A gestora tem cerca de 13% das ações da companhia e Magalhães está no seu conselho de administração. 

Abaixo os principais trechos da conversa.

Números

Hoje o principal negócio da empresa é a Olympikus, a maior marca em volume de pares do Brasil. Além disso tem a Mizuno e Under Armour. Ao todo são 17 milhões de pares de tênis esportivos, mais que a segunda e terceira colocadas do mercado juntos.

Crescimento

As vendas de tênis esportivos no Brasil crescem acima do PIB e podem crescer ainda mais. Hoje, só o número de maratonistas aumenta 11% ao ano, e a quantidade de praticantes de esportes e frequentadores de academia também sobe. É um mercado muito promissor.

Desalavancagem e caixa

É uma empresa que não quer e não gosta de empoçar caixa nem de trabalhar alavancada. Recentemente ela fez uma dívida de cerca de R$ 200 milhões para compra da Mizuno, mas neste ano mesmo ela deve ser liquidada.

Para assistir a conversa completa, clique no play acima

Compartilhe