Violações de políticas

YouTube remove vídeos de Bolsonaro por informações incorretas sobre Covid-19

Procurado, a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O presidente Jair Bolsonaro em discurso (Foto: Alan Santos/PR)

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) – O YouTube removeu nesta quarta-feira vídeos do canal do presidente Jair Bolsonaro na plataforma publicados este ano e no ano passado nos quais ele defendia o uso da cloroquina e da ivermectina contra a Covid-19, apesar da comprovação científica de ineficácia de ambos os medicamentos contra a doença.

Em comunicado, a plataforma disse que, após análise cuidadosa, vídeos foram removidos por violar as políticas do YouTube de informações médicas incorretas sobre a Covid-19.

“Nossas regras não permitem conteúdo que afirma que hidroxicloroquina e/ou ivermectina são eficazes para tratar ou prevenir Covid-19; garante que há uma cura para a doença; ou assegura que as máscaras não funcionam para evitar a propagação do vírus”, informou o YouTube.

“Essas diretrizes estão de acordo com a orientação das autoridades de saúde locais e globais e atualizamos nossas políticas conforme as mudanças nessas orientações. Aplicamos nossas políticas de forma consistente em toda a plataforma, independentemente de quem seja o produtor de conteúdo ou de visão política”, reforçou a empresa.

Procurado, a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Ao analisar o conteúdo do canal do presidente no YouTube, a Reuters confirmou a retirada do ar de vídeos das transmissões ao vivo que Bolsonaro tradicionalmente faz às quintas-feiras, de modo geral convidando ministros de Estado e outras autoridades.

Um dos vídeos removidos foi uma live no dia 27 de maio em que Bolsonaro sugeriu que se tome chás usados por indígenas para combater a Covid-19 e fez novamente defesa enfática da cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus.

Essa transmissão do presidente ocorreu a partir de Matucará, no Amazonas, onde Bolsonaro cumpriu agenda pública em que visitou comunidades indígenas.

“Este vídeo foi removido por violar as diretrizes da comunidade do YouTube”, diz uma mensagem para quem, agora, tenta assistir ao vídeo na plataforma de vídeos da Alphabet.

PUBLICIDADE

Guilherme Benchimol revela os segredos de gestão das maiores empresas do mundo no curso gratuito Jornada Rumo ao Topo. Inscreva-se já.