Lava Jato

Yousseff diz que PSDB, PP e PSB receberam propina da Abreu e Lima

Ex-presidente do PSDB, morto em março, teria sido um dos receptores da propina que serviria para impedir a criação de uma CPI da Petrobras pela oposição

SÃO PAULO – Depois das denúncias envolvendo os partidos governistas, o doleiro Alberto Youssef disse em depoimento de delação na Operação Lava Jato que integrantes de PP, PSDB e PSB receberam propinas em contratos da refinaria Abreu e Lima da Petrobras (PETR3; PETR4). Segundo matéria da Folha de S. Paulo, entre os receptores citados está o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, morto em março de 2014. 

Além dele, Ciro Nogueira (PP), Eduardo da Fonte (PP) e Eduardo Campos (PSB), que morreu em acidente no ano passado, também foram citados como beneficiários do esquema. 

A auditoria da Petrobras descobriu que as construtoras Queiroz Galvão e Iesa assinaram contrato no valor de cerca de R$ 2,7 bilhões para a implantação de tubovias na refinaria. O suborno recebido pelos políticos teria sido negociado antes da assinatura do contrato em uma reunião que contou com a participação do ex-diretor da estatal, Paulo Roberto Costa. 

PUBLICIDADE

Segundo o delator, os oposicionistas aventavam a possibilidade de instalar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras se a Queiroz Galvão não fechasse rapidamente o negócio. Com o pagamento das propinas, os políticos teriam recuado da ideia. Foram usados R$ 10 milhões para impedir a instalção da CPI. 

A Procuradoria Geral da República divulgará nesta semana os nomes de políticos envolvidos no escândalo.