Petrolão e mensalão

Youssef confirma elo do mensalão com esquema na Petrobras; confira vídeo do depoimento

Doleiro afirmou que tinha uma conta corrente conjunta com o ex-deputado José Janene - réu do mensalão e que morreu em 2010 -, e o responsável pela indicação de Paulo Roberto Costa como diretor da Petrobras

SÃO PAULO – O doleiro Alberto Youssef prestou ontem novo depoimento à Justiça Federal, o primeiro após passar mal e ser internado, no final de outubro. Youssef confirmou o elo do Mensalão com o esquema de corrupção na Petrobras e detalhou o esquema de corrupção dentro da companhia, conforme informações do jornal O Estado de S. Paulo

O doleiro afirmou que tinha uma conta corrente conjunta com o ex-deputado José Janene (PP-PR) – réu do mensalão e que morreu em 2010 -, e o responsável pela indicação de Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera, em 2004. Janene ganhou visibilidade como um dos pivôs do escândalo do mensalão e era o líder da Câmara dos Deputados na época, apontado como o destinatário de mais de R$ 4 milhões repassados pelo esquema operado pelo publicitário Marcos Valério. 

Youssef declarou que, por orientação de Janene, repassava valores a “agentes públicos, agentes políticos” e usava para isso um segundo doleiro. Janene usava o dinheiro de propinas para investir em outros negócios por meio da empresa CSA Project Finance, que tinha Cláudio Augusto Mente como sócio oculto. Youssef usava ainda um segundo doleiro, Carlos Habib Carter, dono do Posto da Torre, para entregar os valores. 

PUBLICIDADE

Questionado em depoimento à Justiça, o advogado Carlos Alberto Pereira Costa, que é um dos sócios da CSA, afirmou que o tesoureiro do PT, João Vaccari, costumava se reunir com Mente no escritório do doleiro, o que Vaccari nega.

Perguntado pelo juiz Sérgio Moro qual era a origem do dinheiro, Youssef respondeu que era por “comissionamento de empreiteiras” e que seriam decorrentes de contratos com a administração pública, sendo propinas no geral. 

Neste último depoimento, ele não citou nome de nenhum agente público ou agente político, já havendo citado em acordo de delação premiada que ainda terá homologação da Justiça. 

Confira o depoimento de Alberto Yousseff abaixo: