Comentário WW

William Waack: qual é o maior perigo do Foro de São Paulo?

O encontro de partidos políticos e organizações de esquerda sempre suscita diversas polêmicas; mas, para Waack, o problema não é o encontro em si, mas sim a receptividade a ideias que levam a desastres econômicos

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Foro de São Paulo, conferência de partidos políticos e organizações de esquerda criada em 1990, teve o seu 24º encontro nesta segunda quinzena de julho, em Havana (Cuba). O encontro sempre suscita diversas polêmicas sobre as suas ideias e poder de influência, principalmente na política latino-americana. 

Quer receber as análises de William Waack e os alertas do programa “Painel WW” no seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se e receba a newsletter de graça!

PUBLICIDADE

Para William Waack, o Foro de São Paulo não é importante porque não se trata de uma organização de países poderosos para expandirem a sua influência e seu exercício do poder. “Não acho que se tratam de ideias que tenham capacidade de coordenação internacional de forma a atrelar resultados de eleições em âmbitos tão grandes como América do Sul”, afirma o jornalista. 

Para ele, o maior perigo não é a existência deste tipo de organização – mas sim na receptividade de boa parte dos latino-americanos em geral (e para sul-americanos) em especial para ideias que levaram a desastres econômicos.

“Particularmente, a irresponsabilidade fiscal, intervencionismo estatal, o estabelecimento de burocracias super-reguladoras que sufocam as economias e apenas beneficiam os ocupantes do aparelho de estado (em geral os ocupantes desses partidos fundadores do Foro de São Paulo)”, destaca o jornalista. Confira o comentário completo no vídeo acima. 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear