Comentário diário

William Waack: o perigo da farra fiscal que torna o próximo governo cada vez mais difícil

"Os deputados estão prestando favores àqueles que eles acham importantes para que eles consigam votos", afirma o jornalista

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O grande assunto dos últimos dias foi a chamada pauta-bomba no Congresso, que pode superar R$ 100 bilhões e está criando um grande problema fiscal para o Brasil. E segundo William Waack, esta questão mostra por que será tão difícil para o próximo presidente governar o País.

William Waack todas as manhãs em seu e-mail; receba a newsletter de graça!

Para o jornalista, muita gente fala sobre corrupção, mas este não é o maior problema do Brasil, sendo ainda mais problemática a questão dos gastos públicos, que mostram números impressionantes quando comparados com as perdas com corrupção. “A farra fiscal equivale a corrupção de todos estes anos da Lava Jato por ano”, afirma Waack.

Aprenda a investir na bolsa

Segundo ele, o que explica a aprovação de tantas pautas negativas para a situação fiscal é a proximidade com as eleições. “Os deputados estão prestando favores àqueles que eles acham importantes para que eles consigam votos. Em outras palavras, eles estão assegurando pedacinhos do erário público para corporações”, diz.

“Eu não estou criticando ninguém, estou apenas tentando trazer para vocês a ideia de que se estamos em uma crise distributiva, isso significa que aquilo que poderia se distribuir acabou. Agora cada um quer o seu pedaço e o resultado é um impacto como esses que vocês estão vendo nas contas públicas e aí está a raiz de um problema sério para quem quer que seja presidente no ano que vem”, continua o jornalista.

Por fim, Waack alerta que “se [o governo] não atacar a questão dos gastos públicos, não tem como atacar a questão fiscal” e ainda deixa um alerta para que as pessoas pensem neste cenário quando for escolher o seu candidato, procurando alguém que tenha propostas para resolver este grande problema fiscal.

Confira o comentário na íntegra: