Comentário diário

William Waack: O grupo que irá decidir as eleições no Brasil

O TSE divulgou informações sobre a composição do eleitorado no Brasil - e que dá sinais importantes de como se dará a disputa de outubro

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Na última quarta-feira (1), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou o perfil dos 147,3 milhões eleitores brasileiros. A maioria do eleitorado brasileiro é composta por mulheres (52,5%) e a faixa etária entre 45 e 59 anos é o grupo mais representativo, correspondendo a 24,26% dos eleitores. Quando o assunto é grau de instrução, o grupo mais representativo é do eleitorado que tem ensino fundamental incompleto: são 38.063.892 eleitores, o que corresponde a 25,84% do total.

Tais números, aponta William Waack em seu comentário diário, trazem informações bastante relevantes sobre como se dará a disputa pelo eleitor no Brasil. “Mulheres com mais de 45 anos, numa condição sócio-econômica e cultural marcada pela desigualdade que é a marca do Brasil são o grupo mais representativo.  Em outras palavras, é um eleitorado não muito bem informado, com uma idade um pouco avançada e com uma condição sócio-econômica pouco privilegiada sobre a qual recairá provavelmente a decisão ao final”, aponta ele.

Aprenda a investir na bolsa

Gostou da análise? Clique aqui e receba a newsletter de William Waack!

Assim, surge a afirmação que de fato o uso de alguns instrumentos tradicionais para conquistar o eleitoral terá grande representatividade apesar do aumento do espaço das redes digitais na campanha eleitoral. “Esse pedaço do Brasil, esse pedaço grande do Brasil, que é atrasado, pobre e sem acesso à informação sofisticada –  provavelmente é o que vai decidir essas eleições”, conclui.

Leia mais: 
– Bolsonaro lidera corrida eleitoral com 20%, diz pesquisa; Alckmin atinge 9%
Alckmin cresce no Sudeste e chega a 10% pela primeira vez, mostra XP/Ipespe
 Por que Alckmin cresceu na pesquisa XP/Ipespe?
–  No Roda Viva, Bolsonaro conquista empate com sabor de goleada, mas haja canelada…
 No Roda Viva, Bolsonaro deixou escapar contradições e expôs fragilidades, mas conteve danos maiores