Eleições

Viúva e irmão de Campos defendem Marina; ala pró-PT não gosta da ideia

Referência emocional do marido, Renata Campos tinha influência e palpitava em todas as decisões tomadas por ele

SÃO PAULO – De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, defende a candidatura de Marina Silva à presidência da república no lugar do marido. A reportagem cita falas de amigos e aliados. 

Referência emocional do marido, Renata também tinha influência e palpitava em todas as decisões tomadas por ele. Conforme aponta a Folha, assim como o marido, a figura de Renata é reverenciada no PSB justamente por seu papel ao lado de Campos. Mas, segundo o jornal, ninguém aposta na possibilidade de uma candidatura na vaga de vice, embora seja unânime em Pernambuco que ela teria força eleitoral. Ontem o irmão de Eduardo Campos, Antonio, também defendeu Marina. 

Amigos e políticos que visitaram a família desde a notícia do acidente afirmam que a escolha de Marina como titular do partido seria aprovada por Campos. Porém, a união do PSB em torno de Marina seria um desafio. 

PUBLICIDADE

Conforme aponta o jornal O Estado de S. Paulo, o grupo majoritário do PSB defende a confirmação de Marina como nome do partido ao Palácio do Planalto. Porém, os dirigentes e líderes da legenda querem em troca garantias da candidata a vice. Pedem, por exemplo, que ela não ataque as alianças políticas estaduais costuradas pela cúpula.

Marina é contra acertos do PSB com os tucanos em estados como São Paulo e no Paraná, por considerá-los um obstáculo ao discurso da “nova política”, mas havia parado de fazer críticas públicas às alianças a pedido de Campos. Mas não vinha participando de eventos ao lado de Campos nesses estados. 

Os PPS e os partidos nanicos que apoiavam Campos já sinalizaram que dariam aval a Marina. O presidente do PPS, Roberto Freire, poderia até entrar como vice de Marina na chapa.

Já a resistência a Marina vem principalmente dos estados onde o candidato a governador do PSB tem o apoio do PT, segundo o Valor. Esse seria o caso dos candidatos Ricardo Coutinho, do PSB da Paraíba, e de Camilo Capiberibe, do PSB no Amapá.

Outro indício de que o PT esteja trabalhando contra a canddiatura de Marina é o fato de que Lula se reuniu ontem com o presidente do PSB, Roberto Amaral, relatou a Folha. Amaral é lulista, diz o jornal. E Lula disse ontem que vai procurar a própria Marina Silva para falar sobre os laços dela com o PT.