AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Virgílio diz que Sarney não tem licitude para continuar na presidência do Senado

Senador cita que pmdebista não teria declarado à Justiça casa de R$ 4 milhões; Sarney afirma que foi "equívoco" de contador

SÃO PAULO – O senador José Sarney (PMDB-AP) não possui mais legitimidade para manter-se na presidência do Senado, pois “não faz outra coisa” a não ser explicar constantes acusações em torno de seu nome, afirmou o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), nesta sexta-feira (3).

“O fato é que nós temos um presidente que é um pato manco”, disse Virgílio em uma alusão ao termo usado nos Estados Unidos que se refere à falta de força de governantes em final de mandato. Para o senador, é uma “suprema humilhação” Sarney precisar do apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) para continuar no cargo.

Em discurso no Plenário, Virgílio falou sobre reportagem publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo de que o pmdebista não teria declarado, em 2006, à Justiça Eleitoral a posse de uma casa de R$ 4 milhões, localizada na Península dos Ministros, no Lago Sul, região nobre de Brasília.

Equívoco?

PUBLICIDADE

Em nota divulgada nesta tarde, José Sarney afirmou que “por equívoco do contador, em 2006, foi apresentada à Justiça Eleitoral a mesma lista de bens de 1998”.

A casa também não está na declaração de 1998, pois havia sido comprada em agosto de 1997 em leilão e o pagamento foi feito em dez parcelas. “Durante esse período, o imóvel permaneceu em domínio de seu antigo proprietário, motivo pelo qual não foi incluído na declaração de Imposto de Renda de 1998 e, por consequência, não foi informado à Justiça Eleitoral naquele ano”.

Ainda de acordo com a nota, o registro foi lavrado em cartório em dezembro de 1997, mas a escritura foi passada apenas em 2007. Sarney anexou ao documento a declaração do Tribunal de Contas da União, comprovando que a posse da casa está registrada em sua declaração de Imposto de Renda de 1999 a 2007.