AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Crise no Brasil

Violência no Rio escancara oportunidade perdida do Brasil, afirma Financial Times

Após as Olimpíadas, Rio de Janeiro se viu engolido pela crise na segurança, na econômica e também moral, em meio a escândalos de corrupção, aponta a reportagem do jornal britânico

SÃO PAULO – Em uma longa reportagem, o jornal britânico Financial Times destacou a situação difícil do Rio de Janeiro um ano após a Olimpíada, com a cidade enfrentando uma escalada da violência, além de uma crise econômica e moral e, para completar, escândalos de corrupção. Para a reportagem, a violência no Rio de Janeiro expõe a chance perdida do Brasil em construir políticas públicas sólidas durante o momento de “euforia”. 

Para ilustrar a escalada da violência, o FT destaca a história de Ivan da Silva Martins, que participou das filmagens do longa-metragem “Cidade de Deus”, em 2002. Suspeito de matar um policial, ele se entregou nesta semana à polícia. “A vida de Martins imitou a arte mais brutal”, apontou a publicação, destacando que o PM assassinado foi a última vítima de uma nova onda de violência que arrasou o Rio e forçou o governo federal a enviar cerca de 10 mil agentes das forças federais para proteger as ruas e praias – exatamente um ano após a cidade hospedar as primeiras Olimpíadas da América do Sul. 

“Em uma cidade cercada por uma beleza natural surpreendente, a Olimpíada de 2016 foi projetada para mostrar as conquistas do Brasil. No entanto, a realidade pós-jogos tem sido contrária. Afetado pela corrupção, por uma economia em queda e por uma onda de crimes violentos, o Rio de Janeiro tornou-se o símbolo mais marcante de tudo o que está acontecendo com o maior país da América Latina”, ressalta a reportagem.

O FT lembra que após anos de economia em alta, o Brasil está sofrendo a sua pior recessão na história, enquanto o escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato – mas que não se restringe só a ela – implicou uma grande parte da elite política do País, incluindo o presidente Michel Temer. Enquanto isso, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, já foi preso como resultado das investigações do escândalo, que ameaça as carreiras de dezenas de outros políticos. 

O jornal aponta que a crise econômica do país devastou os orçamentos governamentais, em especial o do Rio, fazendo com que o governo estadual fosse obrigado a declarar um estado de calamidade financeira no ano passado. “Enquanto isso, a paralisia política causada pelos escândalos de corrupção criou um vácuo que as gangues criminosas do Brasil estão tentando rapidamente preencher”. E isso tem consequências políticas, destaca o FT, ressaltando que a alta da violência aumenta as demandas da população por lei e ordem. Isso abre o caminho nas eleições do próximo ano para candidatos populistas e de direita que já têm alguma força no Rio, avalia o jornal.

Para a cidade, aponta o FT, a ressaca das Olimpíadas começou imediatamente após o enorme programa de segurança organizado para os Jogos ser retirado. Logo depois, os tiroteios aumentaram,  Cabral foi acusado de corrupção e preso e o estado se viu praticamente falido, sem dinheiro para saúde, educação e especialmente, segurança.

Segundo a publicação, os níveis de violência das “gangues”, por enquanto, permanecem bem abaixo do pico do início da década de 1990, mas a sucessão de crises deixou a cidade lamentando a oportunidade desperdiçada da última década, sem que tivesse ocorrido a formulação de políticas públicas sólidas.