Vice-presidente do TSE quer estimular voto de brasileiros que vivem no exterior

Segundo Joaquim Barbosa, dos 3 milhões de brasileiros que moram em outros países, apenas 130 mil votaram nas eleições de 2006

SÃO PAULO – Poucos brasileiros que vivem no exterior participam nos processos eleitorais do país. Para o vice-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Joaquim Barbosa, isso representa um problema a ser resolvido.

Ele afirma que dos três milhões de brasileiros que vivem em outros países, apenas 130 mil exerceram o direito de voto nas eleições de 2006. “Há milhões de brasileiros no exterior, mas, quando olhamos aqueles que participam do processo político, é praticamente desprezível o número. Há uma sub-representação da cidadania de quem vive no exterior”, considera.

Na última quinta-feira (17), Barbosa participou da 1ª Conferência das Comunidades Brasileiras no Exterior, organizada pelo Ministério das Relações Exteriores.

Problema recente

PUBLICIDADE

Segundo a Agência Brasil, o vice-presidente considera essa situação um problema recente, “já que o Brasil é tradicionalmente um país de imigrantes e não de emigrantes”. Ele também acredita que essa é a principal razão do Poder Público ainda não ter adotado medidas para resolver a situação.

“Outro problema que teremos que enfrentar no seu tempo é como e quando daremos representação política a esses brasileiros. Não só para que votem nas eleições presidenciais, mas para que participem como pessoas suscetíveis de serem eleitas”, afirmou.

Barbosa lembrou de um projeto de lei que tramita no Senado, de autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que prevê que essas pessoas sejam representadas por deputados federais eleitos por elas.

Também presente na conferência, o senador explicou que, embora não defina na proposta, ele sugere quatro deputados que representariam os brasileiros que vivem nos Estados Unidos, no Japão, na Europa e América Latina.