Mudanças

Versão final do relatório do Refis amplia descontos nas dívidas

O resultado final do relatório mostra um desfecho semelhante ao que foi visto na MP 766, que criou o Programa de Regularização Tributária 

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

Depois de apresentar uma primeira versão de seu parecer sobre a Medida Provisória (MP) 783, que institui o Refis, o deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) fez mais modificações que desfiguram novamente a proposta encaminhada pelo governo. O leque de mudanças inclui ampliação de descontos em multas e juros e concessão a maior número de empresas o benefício de pagar um valor de entrada menor.

O resultado final do relatório mostra um desfecho semelhante ao que foi visto na MP 766, que criou o Programa de Regularização Tributária (PRT). O PRT não previa descontos em multas e juros, mas Cardoso Jr., que atuou como relator desse primeiro texto, se encarregou das modificações e pressionou o governo para aceitar as mudanças. Diante do iminente fim do prazo para votação da MP, o texto caducou e a negociação previu a edição da MP 783.

O Novo Refis foi desenhado pelo governo de forma a garantir o pagamento de entradas maiores pelos devedores. Esse princípio balizou a previsão de arrecadar R$ 13,3 bilhões este ano com o programa. As novas mudanças podem trazer dor de cabeça à equipe econômica, que conta com os recursos para poder liberar parte do orçamento contingenciado e também para assegurar o cumprimento da meta fiscal de 2017.

Aprenda a investir na bolsa

O relator alterou seu parecer de última hora. O texto apresentado inicialmente na comissão não trazia mudanças nos porcentuais de descontos nem no valor da entrada para os menores devedores. Mas o deputado acabou acatando diretamente em seu texto destaques (sugestões de mudanças no texto) que seriam solicitados pelos parlamentares no plenário da comissão.

Quando questionado pela reportagem, Cardoso Jr. não detalhou o conteúdo desses destaques. O novo texto divulgado no site de acompanhamento da MP 783 escancara as mudanças.

A versão final do relatório prevê descontos de 99% em juros e multas para os devedores que, após o pagamento de 20% da dívida ainda este ano, liquidarem o restante integralmente em janeiro de 2018.

Para quem parcelar o restante em 145 meses, a redução em multas e juros será de 90%, e para quem dividir o saldo após a entrada em 175 meses terá abatimentos de 85% em juros e multas.

O relator também concede a maior número de empresas o benefício de pagar um valor menor de entrada e, mesmo assim, obter descontos em multas e juros. Antes, a medida valia apenas para contribuintes com débitos até R$ 15 milhões, mas o relator elevou esse limite para R$ 150 milhões.

Cardoso Jr. também reduziu o valor da entrada para esse grupo de devedores. A alíquota passou a 2,5%, de 7,5% na proposta do governo. A categoria tem acesso aos mesmos descontos nas modalidades de parcelamento e ainda poderá abater do saldo remanescente créditos de prejuízo fiscal ou base de cálculo negativa da CSLL.

PUBLICIDADE

Os créditos ainda podem ser usados em outras modalidades de parcelamento, mas sem o desconto em multas e juros. A nova versão do relatório prevê também que os prejuízos fiscais que geram os créditos serão corrigidos pela Selic – ou seja, o volume de créditos a ser abatido pode ficar ainda maior, reduzindo a arrecadação do governo com o Novo Refis.