União Europeia mantém sanções ao Irã e planeja novas medidas

Porta-voz disse que bloco não recuará, mesmo com a ameaça de bloqueio do importante estreito de Hormuz

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A União Europeia reafirmou nesta quarta-feira (28), por meio de um porta-voz, a imposição de sanções ao Irã. Segundo agências internacionais, o anúncio foi feito depois de Teerã ameaçar fechar o importante Estreito de Hormuz, única saída de petróleo do golfo Pérsico, em resposta às medidas impostas pelo Velho Continente contra o programa nuclear do Irã.

“A União Europeia está avaliando um outro conjunto de sanções contra o Irã e nós continuaremos a fazer isso”, afirmou Michael Mann, porta-voz de Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Mann ainda completou: “Esperamos que a decisão seja tomada a tempo para o Conselho dos Negócios Estrangeiros em 30 de janeiro”, disse ele, referindo-se à próxima reunião de chanceleres da comunidade em Bruxelas.

Aprenda a investir na bolsa

Motivação
Por sua vez, o vice-presidente iraniano Mohammad Reza Rahimi, alertou na véspera que “nem uma gota de óleo passará pelo Estreito de Hormuz” se o Ocidente ampliar as sanções contra o Irã sobre seu programa nuclear.

Mais de um terço dos navios petroleiros do mundo passa por este estreito que liga os Estados produtores do Golfo Pérsico – Bahrein, Kuwait, Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos – ao oceano Índico.

Os Estados Unidos mantêm uma presença naval no Golfo, em grande parte para garantir que a passagem do petróleo permaneça livre.

Divididos
Segundo a imprensa estrangeira, EUA e União Europeia estão considerando novas sanções destinadas a atingir os setores financeiros e de petróleo do Irã. Porém, ainda não há consenso entre os Governos sobre a possibilidade de impor um embargo sobre o petróleo iraniano.

Vale lembrar que, em 2010, o petróleo do Irã foi o responsável por 5,8% do total das importações da commoditie da UE, fazendo com que Teerã se tornasse o quinto maior fornecedor do bloco, atrás de Rússia, Noruega, Líbia e Arábia Saudita.