Resumo da Semana

Tudo que você precisa saber para terminar a semana bem informado

Entre anúncio de Trump e inflação baixa, bolsa recuperou o ânimo no fim desta semana

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Toda a cautela do mercado nos últimos dias parece ter ficado para trás após a combinação da confirmação da sobretaxa do aço a alumínio anunciada por Donald Trump, dados fracos de emprego nos Estados Unidos e um IPCA ainda baixo por aqui. Com isso, a tensão vista na forte volatilidade das bolsas desde início da semana deu tom para uma alta expressiva nesta sexta-feira (9) tanto na B3 quanto em Wall Street, com os índices subindo mais de 1,5%.

Passadas as incertezas com o anúncio de Trump, os investidores voltaram a olhar para indicadores econômicos, com sinalizações de que o Federal Reserve não conseguirá elevar o ritmo de alta de juros que tanto teme o mercado. No Brasil, volta a entrar na pauta uma mudança de cenário, com analistas revisando as projeções para um novo corte da Selic no dia 21.

Confira os principais eventos da semana:

PUBLICIDADE

Trump e a guerra comercial
Na última quinta-feira (8), o presidente Donald Trump oficializou a sobretaxação de 25% no aço e 10% no alumínio importados pelo país. A medida protecionista entrará em vigor em 15 dias. Membros do Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte), México e Canadá ficaram de fora da lista dos países afetados pela elevação das alíquotas.

Trump deixou ainda aberta a possibilidade de renegociar tarifas com outros países aliados. Segundo maior exportador de aço para os EUA, o Brasil, em um primeiro momento, não foi poupado. O país pode levar a questão à OMC (Organização Mundial do Comércio). Um dos principais argumentos usados para tentar evitar a taxação é que a maior parte do aço exportado ao mercado estadunidense consiste em produtos semi-acabados, insumos para a própria indústria local.

Apesar de ainda não ser tão claro o futuro com as taxas de importação lançadas por Trump – com chances reais de uma “guerra comercial” – os investidores deixaram o assunto um pouco de lado de olho também na possibilidade de que alguns países entrem em um regime de exceção destas taxas, o que traz um alívio momentâneo até que os próximos passos sejam definidos.

Selic a 6,5% é o novo cenário-base
A divulgação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) nesta sexta, com resultado ligeiramente acima do esperado pelo mercado, praticamente cravou que o Copom (Comitê de Política Monetária) irá cortar a Selic no próximo dia 21. O índice de inflação oficial acelerou de 0,29% para 0,32% na passagem de janeiro para fevereiro, enquanto as estimativas apontavam para uma alta de 0,31% no mês passado.

Na comparação anual, a inflação cresceu para 2,84%, acima do esperado (+2,83%), mas ainda abaixo do piso da meta de inflação de 3%. Este é o menor patamar para o período desde 1999, quando avançou 2,24%. Neste cenário, os dois maiores bancos privados do País, Itaú Unibanco e Bradesco, cortaram suas projeções e agora cravam a taxa básica de juros em 6,5%.

Sem muitas altas de juros nos EUA
Outro dado importante na semana foi o relatório de emprego nos EUA, que mudou o rumo das bolsas nesta sexta. Ao todo, foram criados foi de 313 mil novos empregos nos EUA em fevereiro, contra estimativa de 205 mil novas vagas de trabalho. A taxa de desemprego, por sua vez, manteve-se em 4,1%, ante expectativa de queda para 4,0%. Contudo, o ganho médio por hora desacelerou de 0,3% para 0,1% entre janeiro e fevereiro, abaixo da estimativa de 0,2%.

De acordo com Pablo Spyer, diretor de operações da Mirae Asset, o dado de remuneração por hora é um sinal de que a inflação não deverá subir além do esperado: “o valor de remuneração por hora abaixo da expectativa indica que não deverá haver pressão inflacionária”, afirmou. Segundo ele, este dado é um bom sinal para os países emergentes, uma vez que reduz a chance do Fed aumentar a taxa de juros no curto prazo.

Especiais InfoMoney

“Top Fundos” – o programa destacou o bom desempenho dos fundos multimercados. Um deles teve rentabilidade de quase 600% do CDI em apenas um mês. José Tibães, analista de fundos de investimentos da XP, falou sobre as estratégias que levaram esse fundo ao topo dos ganhos em fevereiro e as perspectivas para esse e mais 5 fundos campeões de ganhos (clique aqui e confira).

“Mundo Bitcoin” – nesta semana, o programa recebeu um dos pioneiros do Bitcoin no Brasil, Safiri Felix, que respondeu ao vivo aos espectadores quais as melhores criptomoedas para se investir e quais não valem a pena arriscar. Clique aqui e veja a análise completa.

“Bê-a-Bá da Bolsa” – o programa apresentou uma carteira de R$ 200 com 5 ações para investidores de pequeno porte. O portfólio será aplicado por dois estagiários da InfoMoney TV e acompanhado por Thiago Salomão, analista da Carteira Recomendada InfoMoney (confira clicando aqui).

“Fundos Imobiliários” – para o analista Raul Grego, da Eleven Financial, os edifícios comerciais e shoppings são dois segmentos em um bom momento. A perspectiva é de valorização, principalmente no caso de imóveis AAA e por conta da retomada do consumo em locais mais modernos. Entenda melhor o cenário e confira as oportunidades clicando aqui.

Entrevista com Floriano Pesaro – A disputa interna tucana e os desafios das eleições para o governo de São Paulo foram os principais assuntos da entrevista concedida pelo secretário de Desenvolvimento Social paulista, que também é pré-candidato do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes. Confira a entrevista completa aqui.

“Conexão Brasília” – o program recebeu Marcelo Souza, diretor do MDA Pesquisa. Na pauta, os destaques do noticiário político da semana analisados à luz de levantamento recente divulgado pelo instituto. O especialista analisou o potencial eleitoral de cada um dos principais candidatos hoje no páreo (clique aqui e confira).

PUBLICIDADE

“Visão Técnica” – No programa desta sexta, o analista técnico Antonio Montiel, sócio da Escola de Operadores e “Personal Trader” do InfoMoney, afirmou que o Ibovespa retomou seu viés de alta principal e que chegou a hora de retomar as compras, destacando boas oportunidades em Magazine Luiza, Itaú Unibanco, Cesp, CVC e Locamerica. Confira todas as análises clicando aqui.