Candidatura barrada

TSE atinge maioria para barrar candidatura de Lula

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Lula está preso há mais de quatro meses após ser condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) atingiu maioria, em 4 a 1, nesta sexta-feira (31) para indeferir o pedido de registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à presidência da República. 

Votaram por negar o registro de candidatura o relator, até atingir maioria, Luís Roberto Barroso, Jorge Mussi, Og Fernandes e Admar Gonzaga, enquanto Edson Fachin votou por aprovar a candidatura, apesar de reconhecer a inelegibilidade de Lula. Por fim, Tarcisio Vieria e a presidente do TSE, Rosa Weber, completaram a votação, que ficou em 6 a 1 contra a candidatura.

A candidatura de Lula foi alvo de 16 contestações no Tribunal, sendo uma das principais a feita pelo partido Novo, que junto com o pedido de impugnação do registro reforçou que a propaganda eleitoral do petista no rádio e na televisão deveria ser barrada.

PUBLICIDADE

Depois de um longo voto, o ministro relator, Luís Roberto Barroso, indeferiu o registro de candidatura de Lula, e ainda deu um prazo de 10 dias para que o PT anuncie um substituto na chapa, sendo que enquanto isso não for feito, está vetada também a veiculação da campanha eleitoral para candidato à presidência.

Já Edson Fachin votou a favor do pedido de registro de candidatura do ex-presidente.  Em seu voto, Fachin disse Lula está inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado pela segunda instância da Justiça brasileira, mas, mesmo estando preso, pode concorrer nas eleições devido à recomendação do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para que o ex-presidente participe do pleito.

Em seguida, o ministro Jorge Mussi votou pela inelegibilidade do petista. Ele considerou a Lei da Ficha Limpa e disse que a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU para que Lula concorresse à Presidência da República até o julgamento final não possui aplicabilidade no Brasil. Mussi pediu a imediata execução da decisão de tornar Lula inelegível nas eleições 2018, a retirada de sua foto e de seu nome das urnas e a proibição de sua participação em atos de propaganda.

O quarto ministro a votar foi Og Fernandes, que foi o terceiro a votar por barrar a candidatura de Lula. Fernandes afirmou que o pedido do Comitê de Direitos Humanos da ONU para que o Brasil que não impeça a candidatura do petista até a condenação final não tem ação vinculante.

Completou maioria o ministro Admar Gonzaga, que afirmou que o TSE não investiga a culpabilidade do candidato em relação a fatos cuja competência é de outros órgãos do poder Judiciário. “Se a condenação foi justa ou injusta, cabe ao STF ou ao STJ deliberar a respeito”, defendeu ao dar seu voto.

Na sequência, o ministro Tarcisio Vieira também afirmou que não compete à Justiça Eleitoral decidir pela “soltura de candidatos segregados de sua liberdade”. Ele citou o fato de que alguns dos ministros do TSE também são ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e anunciou o voto seguindo o relator.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Lula está preso há mais de quatro meses após ser condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, e está potencialmente inelegível, em função da Lei da Ficha Limpa.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear