AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Presidente do BC

Tombini vê Brasil com “robustos fundamentos”, mas indica nova alta nos juros

"O aumento da volatilidade nos mercados é reflexo desse processo de realinhamento de preços relativos, fenômeno que não deve ser confundido com vulnerabilidade", afirmou

SÃO PAULO – O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta quarta-feira (13) que a autoridade monetária tem atuado para garantir que a inflação vá para a trajetória de metas, voltando a ressaltar que os efeitos da política monetária são cumulativos e que é necessário permanecer “especialmente vigilante”.

“O BC tem agido para assegurar sua convergência (da inflação) à trajetória de metas”, afirmou Tombini segundo assessoria de imprensa do BC, ressaltando que “os efeitos da política monetária são cumulativos e se manifestam com defasagens”.

Tombini participou de evento em São Paulo, fechado à imprensa, no qual também ressaltou que “a política monetária no contexto atual deve se manter especialmente vigilante”.

Pela manhã, foi divulgado que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acelerou um pouco mais do que o esperado em fevereiro, com alta de 0,69%, influenciado sobretudo pela alta nos preços de educação. O número corroborou a visão do mercado de que o BC elevará mais uma vez a Selic em abril em 0,25 ponto percentual, quando o Copom (Comitê de Política Monetária) se reúne novamente, a 11%.

Tombini repetiu os argumentos que já vêm sendo colocados há algum tempo, como na última ata do Copom, a qual informou que a inflação continuava mostrando resistência, indicando nova alta na taxa básica de juros.

Tombini disse ainda que o ritmo de crescimento em 2014 deve se manter em patamar próximo ao de 2013. Ele voltou a avaliar que o cenário externo passa por um “período de transição”, puxada pela recuperação dos Estados Unidos.

Para o presidente do BC, “o aumento da volatilidade nos mercados internacionais é reflexo desse processo de realinhamento de preços relativos, fenômeno que não deve ser confundido com vulnerabilidade”.

Tombini defendeu que o Brasil tem “robustos fundamentos econômicos e financeiros” e informou que, em fevereiro, houve ingresso líquido de 9,2 bilhões de dólares em renda fixa, bolsa e Investimento Estrangeiro Direto (IED). “E tais fluxos continuam fortes nos primeiros dias úteis de março”.

“O Brasil tem respondido a esse período de transição e maior volatilidade nos mercados financeiros de forma clássica, com ajuste de políticas macroeconômicas e flexibilidade cambial”, acrescentou.

PUBLICIDADE