Testes de segurança de urnas eletrônicas terminam sem violações no sistema

Tentativas de invasão do sistema ou impressão de boletins de votação falsos não obtiveram sucesso nos testes do TSE

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As tentativas de alterar o código dos softwares das urnas eletrônicas, como forma de violação dos sistemas, falharam. Os últimos testes de segurança realizados por técnicos e hackers (pessoas com grande conhecimento em computadores) convocados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), encerraram na sexta-feira (13) com nenhuma tentativa de violação bem-sucedida.

“Existe uma máquina que vai criar os cartões de memória para alimentar as urnas com programas. Nossa ideia era alterar o código que vai para as urnas, antes do voto do eleitor”, explicou o perito da Polícia Federal, Tiago Cavalcanti. O perito afirmou que os testes não obtiveram sucesso porque a máquina geradora de mídias é protegida por um sistema que impede usuários não-autorizados de executarem programas não permitidos.

“Mesmo que eu conseguissem executar um programa que mudasse toda a votação a meu favor, essas mídias ainda poderiam ser auditadas. O procedimento permite que partidos e outros cidadãos verifiquem os programas que estão indo pra urna são os programas reais, aqueles que deveriam ir”, disse.

Mais testes

Aprenda a investir na bolsa

Outro teste, realizado pelo especialista do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Carlos Eduardo Negrão, tentou imprimir boletins de votação fraudulentos, mas a impressão não saiu do mesmo tamanho que os boletins reais.

No último teste, que envolveu a Procuradoria Geral da República (PGR), os técnicos tentaram substituir o sistema operacional oficial da urna (LINUX), o que poderia resultar no domínio de todos os programas instalados, mas igualmente não houve sucesso na tentativa.